Jun 25

Arritmia Cardíaca É Coisa Séria

Recentemente um futebolista de alto nível teve descoberta uma grave arritmia durante os exames anuais. Jogador sempre saudável, é profissional há muitos anos, por isso seu problema surpreendeu a todos. Como isso pode acontecer? Quem está sujeito a isso? E o tratamento resolve? A essas perguntas, feitas até por muitos médicos, as respostas servem para todos, nós atletas, esportistas e população em geral.

Em primeiro lugar vale lembrar conceitos antigos que se mantém atuais: “O esporte não é vacina contra as doenças, como não é também seguro de vida”.

Vários estudos da Medicina Esportiva e principalmente da Cardiologia aplicada ao Exercício e do Esporte, tanto na Europa como aqui no Brasil, concluíram que a pratica física intensa, comum entre atletas de alto nível e mesmo em esportistas amadores, ao contrário do que se imaginava, leva à uma queda da imunidade geral, predispondo a viroses mais comuns, como as gripes fortes e outras. Essas viroses, numa baixa porcentagem, algo como 5 a 7 %, podem atingir alguns órgãos dentre eles o coração, provocando sua inflamação, seja na película que o reveste chamada de pericárdio, provocando a pericardite, seja no próprio músculo cardíaco, o miocárdio provocando a miocardite.

Dentre as complicações possíveis da miocardite, a ARRITMIA grave é uma delas, que pode aparecer em repouso ou durante uma atividade física. Algumas formas das arritmias são de alto risco. O seu diagnóstico e tratamento é individualizado e o resultado varia de caso a caso. Nos últimos anos estes problemas aumentaram pelos exageros das atividades físicas em geral. Continue reading

Jun 25

Ajustes termorregulatórios durante o exercício realizado em ambiente quente

Ajustes termorregulatórios e endócrinos responsáveis pela manutenção da temperatura e equilíbrio hidroeletrolítico durante o exercício realizado em ambiente quente

Os seres humanos possuem mecanismos de termorregulação bem maduros, são assim denominados de homeotermos significando que sua temperatura interna é mantida constante durante sua vida. A temperatura corporal do ser humano, assim como os demais sistemas, funciona dentro de um equilíbrio.

No caso específico da temperatura corporal refletira um equilíbrio complexo entre o calor produzido e perdido. Podemos entender que, partindo da concepção de que todos os tecidos corpóreos produzem calor de modo a manter a temperatura interna ideal, que se ocorrer um desequilíbrio entre a quantidade de calor perdido e a produzida, os mecanismos internos de produção de calor serão solicitados a preservar esse equilíbrio. Continue reading

Jun 25

Meios para maximizar a recuperação pós-treino

É comum observarmos indivíduos treinando corretamente, alimentando-se o melhor possível e dormindo 08 hs. por noite e mesmo assim sentindo-se cansados ou sem pique para suportar o treinamento do dia seguinte, ou mesmo o desempenho das atividades do cotidiano. O sucesso está no planejamento adequado de todos os fatores que norteiam o treino: nutrição equilibrada e nutritiva, seqüência de exercícios físicos adequados e recuperação apropriada para o corpo e a mente.

Somente dormir, possivelmente não seja o melhor para a recuperação, nem o melhor meio de equilibrar o organismo após um treino. A recuperação excelente é um intercâmbio entre os âmbitos nutricional, físico-químico e mental do ser humano. Se nos recuperarmos de forma inteligente, melhor será o nosso rendimento no próximo treino e melhor será a nossa saúde geral. Continue reading

Jun 25

Pré-treino

pretreinoÉ comum que praticantes de atividade física se deparem com dias ou até mesmo longas fases em que a disposição para treinar é reduzida. Estas variações são até certo ponto comuns e mesmo os atletas de alto nível passam por elas. Para se romper tais barreiras, muitas pessoas têm utilizado suplementos que prometem melhorar a disposição e o rendimento, os famosos “pré-treino”.

Tais suplementos são vendidos com as mais diversas justificativas, como aumentar a produção de força, retardar a fadiga, promover inchaço na musculatura, etc. É uma proposta extremamente atrativa, pois diminui a responsabilidade das pessoas e transfere para um pote!! Com isso, o treinador não precisaria mais planejar e o atleta não precisaria vencer suas próprias limitações!! Bastaria tomar comprimidos e pronto! Continue reading

Jun 25

Fadiga Muscular

Alvo de diversas investigações na área de fisiologia e bioquímica, o estudo da fadiga muscular tem se mostrado extremamente importante, principalmente devido à complexidade dos seus processos e sua etiologia serem de natureza multifatorial (Ascensão et al., 2003; Fitts, 1994; Santos et al., 2003).  A fadiga muscular pode ser definida como a incapacidade do músculo esquelético em gerar elevados níveis de força ou manter esses níveis por um determinado tempo (Ascensão, 2003; Davis & Bailey, 1997; Enoka & Stuart 1992; Green, 1997).

Jun 25

Estudo inglês põe em xeque o valor do aquecimento

Técnicas de resfriamento do corpo de atletas melhoram frequência cardíaca e as temperaturas da pele e timpânica

A seqüência é extremamente tradicional em qualquer esporte, independentemente do grau de exigência ou profissionalismo, e recomendada por todo profissional: antes de praticar uma atividade física, as pessoas devem fazer um aquecimento para preparar seu corpo. Contudo, um estudo publicado pelo British Journal of Sports Medicine pode revolucionar essa preparação.

O estudo comparou os efeitos de três diferentes preparações termorregulatórias em um grupo de 20 homens, que foram submetidos a corridas de exaustão. Na seqüência inicial, eles fizeram um aquecimento de 20 minutos com 70% da freqüência cardíaca máxima. Depois, mudaram a preparação e vestiram uma roupa com temperatura de 0ºC e -5ºC. A terceira fase foi feita sem nenhuma preparação antes do esforço físico. Continue reading

Jun 25

Diferentes substratos energéticos usados durante a atividade física

A nutrição esportiva, apesar de ainda ser muito recente como ciência, tem se tornado cada dia mais independente como área de atuação do profissional nutricionista. O tema em questão, não se resume apenas na utilização do carboidrato como principal fonte de energia ou a oxidação dos ácidos graxos nos exercícios de baixa intensidade. Podemos ser cada vez mais específicos às necessidades de desempenho e composição corporal do esportista e do atleta. Continue reading

Jun 25

EPOC

Após o término da atividade física, o consumo de oxigênio permanece elevado por vários minutos ou até mesmo horas dependendo da intensidade, volume e tipo do exercício (Binzen et al., 2001; Burleson et al., 1998; Thornton et al., 2002, Elliot et al., 1992). Este fenômeno é conhecido como consumo excessivo de oxigênio pós-exercício (EPOC, do inglês excess post-exercise oxygen consumption), e pode ser atribuído às alterações ocorridas em diversos mecanismos fisiológicos, como temperatura corporal, taxa ventilatória, níveis hormonais, atividade cardíaca, reabastecimento dos estoques de ATP-CP, reposição de oxigênio na circulação e no músculo, oxidação de lactato, ressíntese de glicogênio, bomba de sódio-potássio (Bahr et al., 1992; Haltom et al., 1999), maior concentração de catecolaminas, presença de cortisol, aumento no metabolismo dos ácidos graxos, lesão muscular induzida pelo exercício (Gaesser e Brooks, 1984; Dolezal et al., 2000), entre outros. Continue reading

Jun 25

Manual de Prescrição de Exercício na Doença Cardiovascular

Lançamento do livro: Manual de Prescrição de Exercício na Doença Cardiovascular

CAPA--Manual-de-Prescrição-de-Exercícios

Autor: Antonio Gil Castinheiras Neto

Lançamento 2013

EDITORA RUBIO LTDA

Sinopse:

Nos últimos anos, houve um aumento exponencial no número de clientes acima de 40 anos de idade em academias. Os maus hábitos de vida adotados na infância e na adolescência são determinantes para que os clientes apresentem, na idade adulta, algum tipo de doença, como cardiopatias, hipertensão, diabetes e dislipidemias. Continue reading