Apr 04

Estudo relaciona atividade física no lazer com características do ambiente

A prática de atividade física no lazer e sua relação com o ambiente e a avaliação de uma intervenção comunitária de promoção da saúde, são analisadas em pesquisa

Uma pesquisa realizada com 4.048 moradores de dois distritos sanitários de Belo Horizonte apontou que características físicas e sociais do ambiente influenciam na prática de atividade física de lazer.

A pesquisa também avaliou o efeito de uma intervenção comunitária, o Programa Academias da Cidade, sobre os níveis de atividade física da população geral residente no entorno de onde a iniciativa estava inserida.

O trabalho é da pesquisadora do Observatório de Saúde Urbana de Belo Horizonte da Faculdade de Medicina da UFMG (Osubh), Amanda Cristina de Souza Andrade, defendido como tese no programa de Pós Graduação em Saúde Pública da Faculdade de Medicina da UFMG. Continue reading

Aug 31

Por que é difícil brincar na escola?

Pesquisa mostra que brincadeiras foram esquecidas no ensino fundamental

efescolarUma reflexão sobre o nome: ensino fundamental. Porque fundamental é aprender a ler e a escrever, fundamental é decifrar parte dos códigos até então reservados ao mundo adulto. Fundamental pode ser copiar o que está na lousa, fazer a lição de casa.

Brincar não é fundamental, ou pelo menos não é algo bem-vindo no ensino fundamental. Foi o que constatou a mestranda Luciana Dias de Oliveira na dissertação apresentada a Faculdade de Educação Física (FEF) da Unicamp. A pesquisa foi realizada em duas escolas municipais da cidade de Indaiatuba, próximo a Campinas, a partir de entrevistas com coordenadores de ensino e professores de duas turmas de primeiro ano, além de períodos de observação de aula. Continue reading

Aug 31

Cai o número de brasileiros que joga futebol no lazer

futebolelazerA paixão dos brasileiros pelo futebol pode ser grande, mas o número de pessoas que faz do esporte uma atividade física de lazer caiu. De 2006 a 2012, o percentual foi de 9,1% para 7,2%, uma redução de 20% em sete anos.

O futebol foi ultrapassado pela musculação/ginástica (aumento de 7,9% para 11,2%) e se tornou a terceira atividade física mais praticada nas horas de folga dos brasileiros. Em primeiro está a caminhada (em torno de 18% entre 2006 e 2012). Continue reading

Jun 28

O Jogo e o Lazer

Por meio deste texto, faremos as correlações entre o jogo e o lazer numa perspectiva atual e contemporânea, no sentido de tornar o trabalho do educador físico, funcional. Portanto, analisaremos o jogo e o lazer na perspectiva de sua profissão.

Iremos fazer a abordagem do jogo, suas características, classificações, seus objetivos e funções, mudando de foco para o lazer, suas ocorrências, decorrências, influências, objetivos e funções, mostrando um elo entre os dois objetos de estudo propostos. Continue reading

Jun 27

O valor da recreação no incentivo a prática da Educação Física no Colégio Estadual Ana Nery

RESUMO

O presente estudo dessa pesquisa que tem como ponto central a falta de motivação dos alunos de 5ª a 8ª a prática da Educação Física. A curiosidade deste assunto surgiu a partir das vivencias das aulas aplicadas na prática de Ensino do Estágio Supervisionado no Ensino Fundamental teve como objetivo o de conhecer os motivos que levam os alunos do Ensino Fundamental de 5ª a 8ª a se sentirem desmotivados a participar das aulas de Educação Física. Para poder entender os motivos e significados desta prática, através da literatura para fundamentar o ensino fundamental, as tendências na Educação Física e sua prática, o estudo da recreação e suas diferentes divisões A metodologia utilizada baseou-se em pesquisas quantitativas, para isso coletaram-se as informações através de entrevistas e questionários. Os resultados proporcionaram evidências significativas acerca da falta de motivação dos alunos para participar das aulas de Educação Física como a metodologia utilizada pelo professor, o relacionamento entre professor, aluno e conteúdo.

PALAVRAS-CHAVE: Educação Física, Incentivo, Recreação, motivação. Continue reading

Jun 27

Recreação em academias

Um método inovador, dinâmico e prático para as academias de ginástica

O trabalho de recreação em academias é uma novidade para todos,porém algumas academias do Brasil já estão começando a explorar esse ramo de atividade,utilizando uma nova forma de adquirir mais alunos através de um trabalho de recreação, visando a qualidade de vida de seus praticantes. Esse método é inovador e com certeza trará grandes lucros para as academias, pois os alunos terão novas atrações dentro das aulas ou em atividades externas, o segredo não está em cobrar a mais por esse serviço, mas sim em trazer novos alunos para dentro das academias. Continue reading

Jun 26

Classificação de atividades Recreativas

O objetivo da classificação das atividades recreativas além da padronização, é evidenciar a funcionabilidade dessas atividades dentro de uma programação ou de um programa de lazer e recreação.

Para escolhermos uma determinada atividade para fazer parte da nossa programação, é necessário que saibamos suas características e classificações. De acordo com os objetivos aos quais nos propomos alcançar, escolhemos uma determinada atividade recreativa.

Enaltecemos o valor e a importância da leitura e da pesquisa como fonte de aquisição de conhecimento. O que fazemos aqui é uma compilação de dados, extraídas de boas literaturas, mas não expressamos seu conteúdo na íntegra. Por isso insisto, BUSQUEM NOS LIVROS AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS E COMPLETAS! Continue reading

Jun 23

Educação e lazer

Devido à diminuição da jornada de trabalho conseguida através da revolução industrial, o indivíduo adquiriu a extensão de um tempo chamado tempo livre, que já existia desde a antiguidade e significa o tempo de “não trabalho”, onde se pode utilizar para fazer o que, porque, para quê e da forma que quiser.

Com a ampliação do tempo livre, e este cada vez mais disponível para os indivíduos da sociedade, torna-se mais difícil ocupá-lo com algo importante a ser feito, mesmo que tais atividades sejam de lazer e por serem assim, imprescindíveis ao bem estar social., está cada vez mais difícil de preencher esse tempo na sociedade em que vivemos. Continue reading

Jun 23

A recreação na terceira idade

INTRODUÇÃO

Os estudos direcionados a terceira idade, têm apontado uma gama de benefícios à saúde a sociedade promovidos com a prática de atividades físicas cotidianas. Fator preocupante, pois está comprovado que a cada ano a população que pertence ao grupo da terceira idade, cresce de forma acelerada e sem os devidos esclarecimentos a respeito desses tais benefícios. Uma rotina ativa com simples tarefas, incluindo atividades leves individuais ou coletivas como: caminhadas de baixa intensidade, a utilização de escadas ao invés de elevadores, cuidar do jardim, atividades aquáticas, viagens turísticas a lazer em geral, proporcionam uma melhoria na condição física e psicológica, auxiliando na realização de movimentos do dia-a-dia, tornando esses indivíduos prestativos em seu meio social e conscientes enquanto cidadãos (LACOSTE, 1993).

Em nosso estudo, nos deparamos com uma realidade muito diferente, afastada da ideal. Os idosos residentes no asilo São Francisco de Assis, por exemplo, não contam com atividades que visam uma melhoria na qualidade de vida e bem estar físico, convivem com uma deficiência total de atividades recreativas e a ausência de programas que estimulem o lazer, contribuindo diretamente para que a vida destes idosos se torne cada vez mais ociosa. Continue reading

Jun 22

História da Recreação

A recreação teve sua origem na pré-história, quando o homem primitivo se divertia festejando o início da temporada de caça, ou a habitação de uma nova caverna. As atividades se caracterizavam por festas de adoração, celebrações fúnebres, invocação de Deuses, com alegria, caracterizando assim um dos principais intuitos da recreação moderna, e também, o vencimento de um obstáculo.As atividades (jogos coletivos) dos adultos em caráter religiosas foram passadas de geração em geração às crianças em forma de brincadeiras. Continue reading