Jan 30

Magros também devem se exercitar

A prática de exercícios físicos não deve ser exclusividade dos obesos ou de quem pretende perder peso. Ao contrário do que grande parte das pessoas pensa, os magros devem fazer exercícios para evitar problemas cardíacos. Uma pesquisa britânica, publicada no International Journal of Obesity, constatou a relação entre a prática de exercícios físicos e níveis de colesterol.

A equipe de cientistas mediu os níveis do colesterol LDL (chamado de colesterol ruim, por bloquear as artérias do coração) em três diferentes grupos de pessoas: 37 magros que fazem exercícios, 46 magros que não se exercitam e 28 obesos adeptos da ginástica. Os pesquisadores constataram que os magros que se exercitam têm níveis bons de LDL, mas que magros e obesos que não se exercitam apresentaram níveis mais altos e semelhantes entre eles. Continue reading

Apr 04

Estudo relaciona atividade física no lazer com características do ambiente

A prática de atividade física no lazer e sua relação com o ambiente e a avaliação de uma intervenção comunitária de promoção da saúde, são analisadas em pesquisa

Uma pesquisa realizada com 4.048 moradores de dois distritos sanitários de Belo Horizonte apontou que características físicas e sociais do ambiente influenciam na prática de atividade física de lazer.

A pesquisa também avaliou o efeito de uma intervenção comunitária, o Programa Academias da Cidade, sobre os níveis de atividade física da população geral residente no entorno de onde a iniciativa estava inserida.

O trabalho é da pesquisadora do Observatório de Saúde Urbana de Belo Horizonte da Faculdade de Medicina da UFMG (Osubh), Amanda Cristina de Souza Andrade, defendido como tese no programa de Pós Graduação em Saúde Pública da Faculdade de Medicina da UFMG. Continue reading

Apr 04

Hábitos saudáveis vão além do peso considerado ideal

Uma realidade na qual a oferta de alimentos saudáveis é menor do que os processados e altamente calóricos, favorece quadros de obesidade e sedentarismo.

Em 2015, quase 60% da população brasileira estava acima do peso considerado ideal, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Neste contexto, porém, os efeitos associados aos hábitos não saudáveis não se limitam a quem está acima do peso. Continue reading

Apr 01

Treinamentos com cargas leves causam hipertrofia tanto quanto treinamentos com cargas pesadas

cargas levesAcredita-se que para obter ganhos significativos de massa muscular, o treinamento deve ser realizado com séries de 8 a 15 repetições com cargas pesadas.

Décadas de pesquisas nos dizem que levantar cargas pesadas é a única forma eficaz de aumentar a força e a massa muscular. Pesos leves com repetições elevadas são incapazes de proporcionar sobrecargas suficientes para ganhos de força e hipertrofia muscular. De fato, o princípio da sobrecarga nos diz que para haver ganhos o corpo humano deve ser forçado a adaptar-se a uma carga de trabalho que esteja acima e além do que já tenha experimentado.

Ratamess et al (2009) afirma que contrações com cargas elevadas (isto é, ≥ 70% de 1 RM) devem ser realizadas para proporcionar um estímulo ótimo ao crescimento muscular. 1 RM significa uma repetição máxima, ou seja, a quantidade máxima de peso que pode ser levantada através de um movimento completo.

Recentemente, no entanto foi estabelecida que a síntese de proteínas miofibrilares já é estimulada com cargas superiores a 60% de 1 RM (Kumar et al., 2008).

O American College of Sports Medicine recomenda uma resistência mínima de 60-70% de 1 RM para sujeito iniciantes e cargas entre 80-100% para sujeitos avançados.

No entanto, alguns estudos recentes demonstraram que o treinamento de força com cargas mais leves foi capaz de promover um crescimento muscular semelhante ao treinamento com cargas mais elevadas. Continue reading

Feb 01

Permanecer muito tempo sentado prejudica a longevidade

Até 4% das mortes no mundo poderiam ser evitadas apenas reduzindo o tempo que as pessoas permanecem sentadas ao longo do dia. Isso representa 433 mil pessoas por ano. Os dados são de um estudo realizado por pesquisadores da USP e da Universidade Federal de Pelotas. “No limite, reduzindo o tempo sentado em até 3 horas por dia, seriam evitadas 4% de mortes. Continue reading

Jan 22

Bexiga hiperativa tem relação com depressão e ansiedade, revela tese

Um estudo recente da Unicamp associa a Síndrome da Bexiga Hiperativa, doença caracterizada pela urgência miccional, a quadros de depressão e ansiedade. Desenvolvido exclusivamente em mulheres, a pesquisa apontou que, de um total de 274 participantes, 59,8% (163 mulheres) tinham depressão grave ou moderada e 62,4% (211 mulheres) apresentaram sinais de ansiedade grave e moderada.

A pesquisa foi desenvolvida junto a mulheres com sintomas de bexiga hiperativa, mas sem diagnóstico prévio de depressão e ansiedade. Para a autora do trabalho, a terapeuta sexual Iane Glauce Ribeiro Melotti, os resultados apontam para a necessidade de uma abordagem integral para a saúde das mulheres. Continue reading

Jan 30

Aumento de sonolência está relacionada ao peso da pessoa

Pesquisa apresentada na Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP relacionou o consumo de carboidratos por trabalhadores noturnos com seu grau de sonolência, sugerindo que pessoas com sobrepeso e obesidade estão mais propensas a sentirem mais sono quanto maior for a ingestão desse nutriente. A autora do estudo, a nutricionista Patricia Xavier Soares de Andrade Nehme, realizou a intervenção alimentar com os funcionários da segurança de uma empresa da Baixada Santista, controlando alguns fatores da alimentação dos funcionários. Continue reading
Dec 22

Amigos e vizinhos estimulam a prática de atividade física

Pesquisa da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP aponta que ter companhia de amigos e vizinhos, principalmente na caminhada, pode servir como estímulo na hora de praticar exercícios físicos, pois isso torna a atividade menos estressante.

Mas, mesmo com companhia, a falta de locais apropriados, ou a distância somada à precariedade dos locais existentes podem desestimular àqueles que se propõem a aderir aos exercícios físicos. Essa situação pode ser um agravante para as pessoas com Diabetes mellitus, que têm no exercício físico um aliado para a melhoria da qualidade de vida, com efeitos significativos para a saúde mental e o controle glicêmico. Continue reading

Dec 22

Brasil tem indefinição de funções para desenvolver esporte

O Brasil não possui uma definição clara dos papeis de estados e municípios no desenvolvimento do esporte de alto rendimento, revela pesquisa da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP. O trabalho investigou as políticas estaduais e municipais para o esporte de alto rendimento e como elas são avaliadas por atletas, técnicos e dirigentes.

De acordo com o estudo, coordenado pela professora Maria Tereza Silveira Böhme, embora as práticas esportivas estejam presentes nas escolas devido às exigências da legislação educacional, não há vínculos mais estreitos com o esporte de alto nível. As prefeituras se concentram no esporte participativo e o alto rendimento é mais trabalhado em nível estadual, apesar de existir poucos programas específicos. Continue reading

May 30

Companhia é incentivo comprovado para fazer exercícios

companhiaConvidar um amigo ou parente para fazer exercícios físicos em conjunto é uma motivação a mais para quem quer começar a fazer ginástica. O benefício foi comprovado por um estudo realizado no Observatório de Saúde Urbana de Belo Horizonte (OSUBH) da Faculdade de Medicina da UFMG, coordenado pelos professores Waleska Caiaffa e Fernando Proietti, do programa de pós-graduação em Saúde Pública. A pesquisa revela que ter uma companhia para a prática de atividades físicas pode dobrar as chances de manter o hábito e melhorar a qualidade de vida.

A pesquisa classificou adultos com idades entre 18 e 69 anos das regiões Oeste e Barreiro, em Belo Horizonte, em três grupos: inativos, insuficientemente ativos e ativos. Continue reading