Nov 29

Renda e escolaridade influenciam obesidade feminina

As causas da obesidade, doença crônica não-transmissível que é fator de risco para o desenvolvimento de vários agravos à saúde, estão diretamente ligadas aos níveis de escolaridade e de renda. Segundo a nutricionista e especialista em Saúde Pública, Ana Lúcia Medeiros de Souza, porém, essa relação varia de acordo com os diferentes estágios de desenvolvimento em que se encontram as sociedades. Na dissertação de mestrado que defendeu na Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, ela demonstra a ocorrência dessa variação na população brasileira, a partir de sua distribuição nas áreas urbana e rural das cinco macro-regiões do país.

Apesar de também oferecer risco à saúde para as pessoas do sexo masculino, que têm maiores tendências a sofrer de problemas cardiovasculares, a obesidade incide mais freqüentemente no sexo feminino. “É nas mulheres também que o problema recebe um destaque maior, talvez até pela pressão social, pelo culto à beleza” afirma a pesquisadora, que diz ter-se restringido à ocorrência da doença nas mulheres de todo o país. No Nordeste urbano, por exemplo, Ana Lúcia encontrou uma situação análoga à de países subdesenvolvidos. Continue reading

Sep 27

Natação engorda?

A natação é um dos esportes mais praticados do mundo, sendo normalmente recomendado para pessoas com problemas respiratórios, com lesões músculo-esqueléticas e pessoas desejando perder peso. Especificamente com relação à perda de peso, acredita-se que a natação forneça um alto gasto energético por envolver um grande número de músculos em seus movimentos. No entanto, é paradoxal ver que nadadores normalmente apresentam maiores quantidades de gordura corporal em comparação com atletas de outras modalidades.

Como exemplo podemos citar um estudo da década de 1980 no qual foram comparados nadadores e corredores. Os resultados mostraram diferenças em atletas de ambos os sexos, no caso dos homens, os corredores possuíam em média 7% de gordura, enquanto os nadadores possuíam 12%, já para as mulheres os valores foram de 15 e 20%, respectivamente (Jang et al, 1987). Continue reading

Sep 27

Perder peso controla a pressão arterial

Mudanças no estilo de vida têm papel fundamental no controle da hipertensão, sendo uma solução de fácil acesso e barata. Medidas como perda de peso são simples e podem colaborar de forma decisiva para reverter as estatísticas negativas que predominam. A hipertensão é hoje o principal fator de risco para a ocorrência de doenças cardiovasculares, atingindo de 11 a 20 por cento da população brasileira.

Porém, quatro fatores não farmacológicos são capazes de auxiliar tanto a prevenção quanto o tratamento dela, são eles: aumento da atividade física, perda de peso, menor ingestão de sódio (sal comum de cozinha) e controle dos níveis de potássio. Muitos estudos vêm sendo realizados a fim de compreender melhor de que maneira tais recursos podem ser utilizados. Continue reading

Mar 28

Obesidade infantil

No presente texto tentaremos descrever sobre a obesidade infantil e levantar possíveis questionamentos quanto a soluções e tentar despertar para um assunto tão grave da atualidade e do futuro próximo de nossos jovens.

Segundo McArdle; 1984 “ a obesidade pode ser definida como o aumento excessivo da quantidade de gordura corporal”. “A 0besidade consiste no depósito excessivo de gordura no tecido adiposo”… Revista âmbito de medicina esportiva, ano II n.º 16; 1996. Por meio dos conceitos acima descritos, podemos observar o comprometimento dos autores com o conceito fechado visando os aspectos intrínsecos entre gordura corporal e excesso da mesma. Comumente encontramos as expressões excesso de peso e sobre peso, relacionadas à obesidade.

Devemos ser cautelosos na interpretação de tal situação, pelo fato de encontrarmos pessoas com peso corporal total alto e com baixo volume de gordura, principalmente aquelas treinadas em esportes de força e musculação. Não trataremos neste texto destes aspectos porque já foram discutidos em um artigo anterior. O excesso de peso em gordura nas crianças, identificado e difundido na atualidade por meio dos mecanismos de comunicação como jornais, revistas, rádio e televisão, indicam-nos o caminho, que esta tornando-se um problema, no mínimo preocupante para com o futuro próximo de nossos atuais jovens. Continue reading