Jan 05

Emoções negativas influem no consumo de alimento energético

candiesProblemas comuns do cotidiano como questões financeiras, discussões com o cônjuge, traição, preocupações com os filhos e até morte na família e violência doméstica, levam a emoções negativas como angustia, tristeza, ansiedade e, mais que isso, podem levar mulheres a aumentarem significativamente a ingestão de alimentos energéticos.

Esse é o principal resultado de uma pesquisa do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP. Nessas situações, os pesquisadores verificaram que as pessoas não escolhem alimentos doces saudáveis, como frutas, por exemplo, mas preferem os não saudáveis, que na pesquisa foram representados pelo brigadeiro. Continue reading

Sep 21

Atletas vivenciam a aposentadoria como luto

apoioaosatletasO momento da aposentadoria de esportistas profissionais gera um sentimento semelhante ao luto causado pela perda de uma pessoa próxima. Isto acontece pela falta de preparação psicológica ao longo da carreira destas pessoas, que, por muito tempo, têm o esporte como centro de suas vidas. Em seu mestrado no Instituto de Psicologia (IP) da USP, a psicóloga Daniela Selingardi observou que, ao aposentar-se, atletas buscam apoio para recomeçar profissionalmente, mas acabam, em geral, não procurando ajuda para organizar as emoções. Continue reading

Jun 24

A dimensão estratégica do futsal

Tese de doutorado serve de guia pedagógico às pessoas que ensinam o esporte no Brasil

Manhã de domingo, 19 de outubro de 2008. Na quadra do Ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, as seleções de Brasil e Espanha disputam a final do Mundial de Futsal, competição organizada pela Federação Internacional de Futebol (Fifa). Depois de um jogo dificílimo, que terminou empatado em 2 a 2, o time brasileiro finalmente superou o adversário nos pênaltis (4 a 3) e conquistou o inédito hexacampeonato da modalidade. O resultado, que reflete a popularidade e tradição do esporte no país, não traduz, no entanto, o nível de conhecimento dos treinadores nacionais so­bre os aspectos estratégicos e táticos envolvidos no jogo. “De modo geral, apenas uma casta de técnicos possui conhecimento aprofundado sobre es­ses elementos”, afirma o professor Wilton Carlos de Santana, que acaba de defender tese de doutorado acerca do tema na Faculdade de Educação Física (FEF) da Unicamp, sob orientação da professora Heloisa Reis. Continue reading

Jun 24

Autofala melhora desempenho de iniciantes

A utilização do controle verbal da autofala ajuda a melhorar o desempenho de iniciantes em simulações esportivas. Segundo o psicólogo Eduardo Neves Pedrosa de Cillo, atletas ou praticantes que se utilizam da autofala, seja ela instruída ou modelada, têm desempenho significativamente melhor que aqueles que não se utilizam de controle verbal. A diferença nos resultados pode chegar a até 12,5%.

Autofala é uma das técnicas utilizadas na psicologia do esporte para aumento de concentração. Pode ser usada por atletas principalmente antes da execução de tarefas como por exemplo a cobrança de pênalti no futebol, o lance livre no basquete ou a rebatida no beisebol. A autofala instruída é aquela imposta pelo treinador, na qual o praticante apenas reproduz o que lhe for instruído. Já a modelada é construída a partir de um diálogo entre o orientador da tarefa e o praticante. Continue reading

Jun 23

Estresse prejudica desempenho na cobrança de pênalti

O estresse interfere diretamente no desempenho dos jogadores de futebol. De acordo com uma pesquisa realizada no Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP, em situações como cobrança de pênalti o estresse afeta consideravelmente a resposta motora.

Em sua tese de doutorado defendido no ICB, o pesquisador Nelson Toshiyiki Miyamoto pediu para voluntários executarem uma tarefa que simulava em computador alguns aspectos das cobranças de pênalti do futebol. Os testes foram separados em duas situações: voluntários sozinhos e sob pressão de torcida. Nesta última condição, os voluntários não ultrapassaram 80% de aproveitamento, mesmo o goleiro dando pistas de que iria pular para um dos lados e o cobrador tendo tempo para escolher o lado para o qual chutar. Continue reading
Jun 23

O poder da motivação

Desde o meu último texto, venho explanando sobre assuntos que me deparo no decorrer do dia-a-dia, no trato com os meus clientes e nas conversas que escuto dos mesmos na academia (lugar, que eu acredito, acrescentar muito na minha formação como profissional e como pessoa, além de contribuir no entendimento prático do que leio nos livros e nos artigos científicos). Desta vez, observei um aluno, que ficou muito tempo sem freqüentar a academia.

Após um breve retorno aos treinos, ele mostrou um desenvolvimento fantástico (“possivelmente”, devido à utilização de recursos farmacológicos), mas, logo depois, parou de treinar adequadamente, e o óbvio ocorreu: perda de massa magra acentuada e queda na auto-estima. Nas nossas conversas informais, revelou que estava utilizando fat burners para aumentar a sua disposição para os treinos, já que os mesmos, sem a ingestão de tais suplementos, nunca eram os mesmos… Uma pena, pois, como este indivíduo, várias pessoas creditam o seu sucesso e sua determinação ao uso de substâncias, e não de uma permissão pessoal e uma busca em direção daquela meta almejada. Continue reading

Jun 22

Treinamento mental no esporte

Introdução

Treinadores e psicólogos do esporte afirmam que os fatores mentais e o domínio psicológico são variáveis de suma importância na busca da performance máxima, contudo poucos são os atletas que participam desse tipo de intervenção com regularidade e base cientificamente comprovada. A maioria dos treinamentos mentais é confusa e pouco eficiente, nota-se a necessidade da elaboração de um planejamento bem estruturado, que seja compreensível e capaz de igualar o nível do treinamento metal ao físico.

A igualdade no desempenho entre os atletas de alto rendimento sugere que o controle mental, o poder de concentração e as técnicas de relaxamento têm determinado os grandes vencedores. Por esse e por outros motivos a psicologia desportiva tem sido bastante valorizada, principalmente pelo fato dos indivíduos já não mais associarem o treinamento mental à “loucura”. Na ex-Alemanha Oriental, por exemplo, os psicólogos do esporte eram tidos como heróis nacionais assumindo um papel importante desde o inicio do treinamento, elaborando métodos capazes de ajudar no aperfeiçoamento mental e físico dos atletas. Continue reading

Jun 22

Psicologia e atividade física

Antes de iniciar o texto, tenho que pedir desculpas antecipadas aos colegas psicólogos e psiquiatras pelo uso e adaptação de alguns conceitos pertinentes a essas fascinantes ciências. Não pretendo desenvolver nem me aprofundar em uma área a qual não pertenço oficialmente, minha pretensão é somente mostrar quão interessante pode ser o estudo da mente humana e provar que nada se encontra fora de seu alcance, nem mesmo a prática de atividades físicas. Continue reading

Jun 22

A importância de acreditar em si mesmo

O exemplo de superação de Lionel Messi

Aos 12 anos, Lionel Messi não imaginava que seria a superestrela que é hoje. Só queria jogar futebol. Mas uma insuficiência hormonal atrapalhou se crescimento, tanto esportivo, como físico. E também atrapalhou psicologicamente.

Com apenas 18 anos, em pena adolescência, “la Pulga” parece um adulto tanto dento como fora do campo. Ao talento esportivo se soma uma fortaleza mental que não se iguala a nenhum jogador de sua idade.

Desde o início teve determinação para alcançar suas metas. Muito tímido, muito centrado, muito maduro, sempre mostrou grande predisposição para dar o melhor de si.

Quando ainda estava na equipe juvenil do Barcelona, sofreu uma fratura do rosto. Saiu do hospital para jogar uma final diante do Espanyol com uma máscara emprestada por Puyol. Ficou com a máscara por 10 minutos, mas de desfez dela, pois ficou incomoda. Jogou os 90 minutos com uma fratura no rosto. Continue reading