Feb 01

Permanecer muito tempo sentado prejudica a longevidade

Até 4% das mortes no mundo poderiam ser evitadas apenas reduzindo o tempo que as pessoas permanecem sentadas ao longo do dia. Isso representa 433 mil pessoas por ano. Os dados são de um estudo realizado por pesquisadores da USP e da Universidade Federal de Pelotas. “No limite, reduzindo o tempo sentado em até 3 horas por dia, seriam evitadas 4% de mortes. Continue reading

Jan 22

Bexiga hiperativa tem relação com depressão e ansiedade, revela tese

Um estudo recente da Unicamp associa a Síndrome da Bexiga Hiperativa, doença caracterizada pela urgência miccional, a quadros de depressão e ansiedade. Desenvolvido exclusivamente em mulheres, a pesquisa apontou que, de um total de 274 participantes, 59,8% (163 mulheres) tinham depressão grave ou moderada e 62,4% (211 mulheres) apresentaram sinais de ansiedade grave e moderada.

A pesquisa foi desenvolvida junto a mulheres com sintomas de bexiga hiperativa, mas sem diagnóstico prévio de depressão e ansiedade. Para a autora do trabalho, a terapeuta sexual Iane Glauce Ribeiro Melotti, os resultados apontam para a necessidade de uma abordagem integral para a saúde das mulheres. Continue reading

Jan 30

Aumento de sonolência está relacionada ao peso da pessoa

Pesquisa apresentada na Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP relacionou o consumo de carboidratos por trabalhadores noturnos com seu grau de sonolência, sugerindo que pessoas com sobrepeso e obesidade estão mais propensas a sentirem mais sono quanto maior for a ingestão desse nutriente. A autora do estudo, a nutricionista Patricia Xavier Soares de Andrade Nehme, realizou a intervenção alimentar com os funcionários da segurança de uma empresa da Baixada Santista, controlando alguns fatores da alimentação dos funcionários. Continue reading
Jan 20

Lombalgia Ocupacional

O que é Lombalgia Ocupacional?

Lombalgia é a denominação que se dá à chamada “dor nas costas”. Mais especificamente podemos defini-la como dor na região posterior do tronco inferior, do final das costelas até a prega glútea. A dor sentida na região do dorso, mas localizada entre a região abaixo dos ombros até o final das costelas, é chamada de dorsalgia. A dor no pescoço é denominada cervicalgia.

Trata-se de um sintoma comum. Estima-se que 65 a 80% das pessoas já tenham vivenciado pelo menos um episódio de dor lombar ao longo da vida, especialmente após os 50 anos.

A lombalgia pode ter várias causas, pois sendo a unidade funcional da coluna vertebral composta de ossos, ligamentos, músculos, discos intervertebrais, vasos e nervos, a dor pode ser originária do sofrimento de um ou mais elementos desse conjunto. É de grande importância que a causa da dor lombar seja diagnosticada corretamente. Continue reading

Dec 22

Amigos e vizinhos estimulam a prática de atividade física

Pesquisa da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP aponta que ter companhia de amigos e vizinhos, principalmente na caminhada, pode servir como estímulo na hora de praticar exercícios físicos, pois isso torna a atividade menos estressante.

Mas, mesmo com companhia, a falta de locais apropriados, ou a distância somada à precariedade dos locais existentes podem desestimular àqueles que se propõem a aderir aos exercícios físicos. Essa situação pode ser um agravante para as pessoas com Diabetes mellitus, que têm no exercício físico um aliado para a melhoria da qualidade de vida, com efeitos significativos para a saúde mental e o controle glicêmico. Continue reading

Jun 04

Atividade física e varizes (doenças vasculares periféricas)

As doenças vasculares periféricas (DVP) envolvem um grupo de doenças crônico degenerativas e síndromes que afetam os sistemas arteriais, venosos e linfáticos, como resultado de anormalidades funcionais e/ou estruturais (1, 3). Caracterizando-se como um problema de circulação que provoca estreitamento, obstrução, ou ambos, dos vasos que conduzem o sangue ou a linfa para braços e pernas, prejudicando o fluxo normal (1,2). Desta forma, a troca de material entre o sangue e os tecidos, o fornecimento de nutrientes, a remoção de produtos do metabolismo, a defesa e o reparo de tecidos fica comprometida (5), refletindo na saúde e qualidade de vida das pessoas.

Fatores de risco

Pessoas acima dos cinquenta anos, do sexo feminino e que apresentam histórico familiar de DVP, são mais suscetíveis ao aparecimento e desenvolvimento destas doenças (1). Estes fatores não são passíveis de mudança, sendo classificados como fatores de risco fixos.

Entretanto, a maior parte dos fatores de risco das DVPs, apresenta grande possibilidade de intervenção preventiva ou terapêutica. Notem, por exemplo, que os países industrializados e os em desenvolvimento são campeões em prevalência de DVP (1,3), demonstrando que o estilo de vida da maioria das pessoas por si só, já é potencialmente um fator de risco. Inclui-se nestes fatores chamados modificáveis: o tabagismo, o estresse, o sedentarismo, a hipertensão, a diabetes mal controlada, a obesidade e outras doenças cardiovasculares (1,6). Continue reading

Jun 03

Atividade física e tabagismo

cigarroapagueA Organização Mundial da Saúde aponta o tabagismo como a principal causa de morte evitável do mundo e o tabagismo passivo como a terceira causa, ficando atrás somente do alcoolismo (World Health Organization; 2008; INCA, 2009).

Os números que cercam o tabagismo e a indústria tabagista são impressionantes: 1,5 bilhões de indivíduos, maiores de 15 anos, são tabagistas, que consomem mais de 7 trilhões e 30 bilhões de cigarros anualmente, o que equivale a 200.000 quilos de nicotina diária (Rosemberg, 2002; Banco Mundial, 1999; Clinical Practice Guideline Treating Tobacco Use and Dependence 2008), que causam impactos ambientais e socioeconômicos monstruosos (Ministério da Saúde 2004). Continue reading

May 30

Companhia é incentivo comprovado para fazer exercícios

companhiaConvidar um amigo ou parente para fazer exercícios físicos em conjunto é uma motivação a mais para quem quer começar a fazer ginástica. O benefício foi comprovado por um estudo realizado no Observatório de Saúde Urbana de Belo Horizonte (OSUBH) da Faculdade de Medicina da UFMG, coordenado pelos professores Waleska Caiaffa e Fernando Proietti, do programa de pós-graduação em Saúde Pública. A pesquisa revela que ter uma companhia para a prática de atividades físicas pode dobrar as chances de manter o hábito e melhorar a qualidade de vida.

A pesquisa classificou adultos com idades entre 18 e 69 anos das regiões Oeste e Barreiro, em Belo Horizonte, em três grupos: inativos, insuficientemente ativos e ativos. Continue reading

May 29

Cigarro: apague o mal da sua saúde

Mesmo sabendo de todos os riscos, muitos fumantes ainda insistem em dizer que o prazer compensa tudo – até mesmo o risco de prejudicar a própria saúde. Será mesmo? Além de aumentar as chances de desenvolver doenças pulmonares, câncer, infarto, derrames e envelhecimento precoce, a pessoa tem menos disposição, gasta um dinheirão por mês para alimentar o vício e ainda prejudica a saúde de seu vizinho.

Durante décadas o cigarro foi considerado sinônimo de charme, beleza e sofisticação. A indústria cinematográfica imortalizou e glamourizou o ato de fumar. Hoje, estima-se que há mais de 250 milhões de mulheres fumantes no mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). O que já foi chique no passado é causa de preocupação no presente. Continue reading
Dec 27

Substância aponta fadiga cardíaca em maratonistas

running-marathonEstudos realizados na Escola de Educação Física e Esporte da (EEFE) da USP conseguiram identificar a ocorrência de fadiga cardíaca avaliando os níveis de óxido nítrico exalados pelos corredores no pós-maratona. Os testes foram feitos em 31 voluntários durante a 21ª edição da Maratona Internacional de São Paulo, realizada em maio deste ano.

Ana Sierra, médica do esporte e profissional de educação física, acompanhou corredores do sexo masculino, entre 18 e 55 anos, para investigar as principais alterações do organismo após a realização de maratona. Em sua pesquisa de mestrado, ela já havia observado que, depois da prova, o atleta passava por um período de 15 dias de fadiga cardíaca, sofrendo uma queda na capacidade de seu coração bombear o sangue. Continue reading