Aug 15

Treinamento com medicine ball

med-ball-chest=pass-02122011Recentemente muitos novos produtos têm ajudado a adicionar novas possibilidades ao treinamento nas academias, no treinamento desportivo e na reabilitação. O medicine ball é um destes produtos. Constitui-se numa bola pesada que serve para realizar exercícios físicos condicionantes e terapêuticos.

Há relatos bastante antigos do uso terapêutico do medicine ball, quase 2 mil anos atrás. Por volta de 1800, o exército norte americano utilizava o medicine ball para condicionar fisicamente seus soldados. Na Europa, na década de 1920 utilizava-se o medicine ball para a reabilitação da função muscular em pacientes idosos. Alguns anos depois, em meados de 1930, o medicine ball tornou-se mais popular nos Estados Unidos, quando o médico da Casa Branca,  Joel Boone inventou um jogo usando o medicine ball para manter o presidente Edgar Hoover fisicamente ativo. O jogo chamado de Hoover Ball  era jogado com equipes de dois a quatro jogadores. O objetivo era jogar o medicine ball por cima de uma rede, semelhante ao voleibol atual.

Apesar de muito antigo, ainda é pouco difundido aqui no Brasil; mas aos poucos está aparecendo com bastante força no mercado. A ascensão do treinamento funcional no mercado fitness tem proporcionado ainda mais sua divulgação. Com novas tecnologias, os medicine balls atuais se tornaram mais versáteis para o uso por parte dos profissionais da saúde.

Treinamentos com medicine ball representam um meio eficaz para a melhoria da força muscular, resistência e capacidade funcional. É um treinamento que pode ser aplicado a qualquer pessoa, desde iniciantes em academias para fins de condicionamento físico e estética e até mesmo por atletas avançados que buscam objetivos específicos em suas preparações esportivas. Continue reading

Aug 14

Respiração durante o treino

Repare que ao nos prespiraçãoduranteoexercíciorepararmos para um esforço intenso, instintivamente inspiramos e prendemos a respiração, isto é o início da manobra de Valsalva, que nada mais é que a exalação forçada contra a glote fechada, ocorrendo como um reflexo inconsciente de nosso corpo diante da superação de sobrecargas altas.

Durante essa manobra, a pressão intratoráxica aumenta bastante (cerca de 50 vezes, ou mais), comprimindo as veias da região toráxica, o que reduz o retorno sanguíneo para o coração. A queda no fluxo sanguíneo aliada à subsequente diminuição da pressão arterial levam àquela conhecida tontura, muito comum no fim dos levantamentos pesados. Continue reading

Jun 04

Atividade física e varizes (doenças vasculares periféricas)

As doenças vasculares periféricas (DVP) envolvem um grupo de doenças crônico degenerativas e síndromes que afetam os sistemas arteriais, venosos e linfáticos, como resultado de anormalidades funcionais e/ou estruturais (1, 3). Caracterizando-se como um problema de circulação que provoca estreitamento, obstrução, ou ambos, dos vasos que conduzem o sangue ou a linfa para braços e pernas, prejudicando o fluxo normal (1,2). Desta forma, a troca de material entre o sangue e os tecidos, o fornecimento de nutrientes, a remoção de produtos do metabolismo, a defesa e o reparo de tecidos fica comprometida (5), refletindo na saúde e qualidade de vida das pessoas.

Fatores de risco

Pessoas acima dos cinquenta anos, do sexo feminino e que apresentam histórico familiar de DVP, são mais suscetíveis ao aparecimento e desenvolvimento destas doenças (1). Estes fatores não são passíveis de mudança, sendo classificados como fatores de risco fixos.

Entretanto, a maior parte dos fatores de risco das DVPs, apresenta grande possibilidade de intervenção preventiva ou terapêutica. Notem, por exemplo, que os países industrializados e os em desenvolvimento são campeões em prevalência de DVP (1,3), demonstrando que o estilo de vida da maioria das pessoas por si só, já é potencialmente um fator de risco. Inclui-se nestes fatores chamados modificáveis: o tabagismo, o estresse, o sedentarismo, a hipertensão, a diabetes mal controlada, a obesidade e outras doenças cardiovasculares (1,6). Continue reading

Apr 28

Musculação: a importância do acompanhamento adequado

Tornou-se indiscutível que a prática de atividades físicas é importante para manutenção da saúde. Nesse contexto, a musculação vem ganhando um espaço crescente, por proporcionar resultados estéticos, melhorar o desempenho desportivo e ajudar na prevenção, recuperação e reabilitação das mais diversas condições patológicas.

Cientes desses benefícios, muitas pessoas procuram locais especializados para prática de musculação. No momento de escolher onde treinar, diversos fatores são levados em consideração, como a proximidade de casa/trabalho, estrutura física, preço, tipo de público que a freqüenta… No entanto, o fator principal muitas vezes é negligenciado: a qualidade do acompanhamento profissional. Continue reading

Feb 11

Agachamento e joelho

agachamentoejoelhoO agachamento é um dos exercícios mais completos que podem ser realizados dentro das academias, pois envolve um elevado número de articulações e músculos, consistindo em um excelente meio de fortalecer a musculatura da coxa, do quadril e outros inúmeros coadjuvantes que atuam na realização do movimento.

Estes e outros fatores levam treinadores e atletas do mundo todo a referirem a ele como o “rei dos exercícios”. Além disso, sua execução é extremamente funcional, pois usamos esse tipo de movimento constantemente em nossas atividades diárias como, por exemplo, sentar e levantar de uma cadeira ou pegar um objeto no chão. Mesmo assim, ainda há quem o proíba ou restrinja seu uso sem uma explicação plausível, principalmente limitando sua amplitude em 90° de flexão dos joelhos. Continue reading

Feb 10

Agachamento e coluna

Na primeira parte do estudo (Agachamento e joelho), ficou claro que o agachamento:

  • Não traz prejuízo para o joelho;
  • Este exercício pode, deve e tem sido usado com fins terapêuticos;
  • As lesões no joelho geralmente são causadas pela combinação de altos volumes de treinamento e técnica inapropriada;
  • As forças tensionais e compressivas desse tipo de exercício estão totalmente dentro das capacidades fisiológicas e articulares.

Na segunda parte, será abordado o tema: agachamento e coluna.

Coluna

A dor lombar normalmente é atribuída à prática do agachamento, o que é pouco provável. Contudo, devemos ressaltar que os mecanismos da dor lombar ainda não estão totalmente esclarecidos e sua causa pode ser uma manifestação que envolve vários fatores. Se os exercícios forem realizados de maneira racional, com técnica correta, o risco de lesão é mínimo.  Continue reading

Oct 25

Repetições até a fadiga muscular

Muitas pessoas já me perguntaram como devemos fazer as séries de exercícios com pesos, principalmente se devemos fazer uma série de um determinado exercício até a fadiga muscular. Recentemente, um aluno meu do curso de Educação Física fez a mesma pergunta: “Professor, devemos fazer séries até a fadiga, principalmente quando visamos a hipertrofia muscular?”

Eu respondi que não, não devemos realizar séries até a fadiga muscular. Mas porque eu defendo essa idéia?

Quando realizamos testes de carga (seja o teste de 1 RM, ou o teste de repetições máximas) nós usamos esses valores para prescrever uma programação/periodização de treinamento, não é? E através dessa programação nós conseguimos controlar o treinamento de nossos alunos ou atletas. A palavra chave da minha defesa é essa – CONTROLE DO TREINAMENTO!!!! Continue reading

Sep 25

Treino pliométrico melhora desempenho em corredores

pliometriaEstudo realizado na Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP demonstra que o treinamento pliométrico — com diferentes tipos de saltos — não altera a estratégia de prova utilizada, mas melhora o desempenho de corredores em provas de 10 quilômetros (km). O trabalho, intitulado Efeito da economia de corrida sobre a estratégia de prova utilizada durante uma corrida de 10 km, foi realizado por Everton Crivoi do Carmo, entre os anos de 2010 a 2014.

Participaram do estudo 34 corredores do sexo masculino, todos com experiência na prova de 10 km e com capacidade de completá-la em menos de 45 minutos. Os voluntários foram divididos em dois grupos. Durante oito semanas, metade serviu de grupo controle, mantendo sua rotina de treinamento, enquanto a outra metade adicionou à sua rotina o treinamento pliométrico duas vezes por semana no Centro de Práticas Esportivas da USP (Cepeusp). Continue reading

Sep 16

A musculação como fonte da juventude

musculaçãojuventudeA musculação pode ser considerada como uma das atividades campeãs na promoção de saúde e qualidade de vida. Os seus inúmeros benefícios transcendem aos fatores estéticos, como comumente visto. São comprovados os benefícios do treinamento resistido como coadjuvantes no tratamento da hipertensão, osteoporose e diabetes; no combate à sarcopenia (perda natural de peso massa muscular em decorrência da idade); na correção de problemas posturais; na aceleração do metabolismo e emagrecimento; no fortalecimento do sistema imunológico; na melhoria dos padrões ventilatórios; bem como na melhora do humor, libido e autoestima. Continue reading