Durma bem

dormir bemHigiene do sono ajuda o organismo a regular seu próprio ritmo

O privilégio de ter uma boa noite de sono para recuperar as energias após uma intensa rotina de atividades nem sempre é para todos. Muitas pessoas têm dificuldades para dormir e, por isso, costumam acordar irritadas e impacientes. Entretanto, muitas dessas queixas podem ser amenizadas com a prática de hábitos simples, mas que fazem toda a diferença, chamados de higiene do sono.

O professor do Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina da UFMG, Maurício Viotti, explica que o organismo humano funciona em função do chamado ritmo circadiano, que reconhece as variações entre dia e noite. Esse ritmo é importante para o funcionamento harmonioso do corpo.

Para se ter uma ideia, alguns hormônios são liberados conforme nossos olhos registram o cair da noite. A glândula pineal, por exemplo, localizada no centro do cérebro, inicia a produção de melatonina à noite para auxiliar o nosso organismo a regular o ciclo do sono. De acordo com o professor, a higiene do sono é justamente o conjunto de medidas que favorecem a organização desse ritmo. “As funções ficam mais sincronizadas. Dormir mal desorganiza o ritmo interno”, diz.

Orientações

Estabelecer um horário regular para dormir e acordar é uma das recomendações para quem deseja dormir bem a noite inteira. “Quem acorda mais tarde, consequentemente, dormirá mais tarde. Forçar a dormir é mais difícil. Mas acordando mais cedo, naturalmente a pessoa dormirá mais cedo. O sono regulariza”, orienta Maurício Viotti.

Além disso, é preciso estabelecer uma rotina, para que o sono possa vir naturalmente. Caminhar pela manhã, para o organismo perceber que já está de dia, tomar banho antes de dormir ou fazer um pequeno lanche, sem muitos condimentos, são exemplos de comportamentos que levam a um sono reparador. Viotti acrescenta que trabalhar mais intensamente no período noturno, principalmente diante uma tela de computador, ou em ambientes muito iluminados, dificulta a produção do hormônio melatonina.

O professor ressalta que a higiene do sono é a primeira e principal medida para se ter uma boa noite de sono. Entretanto, se essas atitudes não ajudarem a diminuir os quadros de insônia, é preciso procurar ajuda especializada, em laboratórios do sono. “Eles irão investigar as causas da má qualidade do sono com técnicas específicas”, explica. Para Viotti, o importante é dormir bem. “Quem dorme mal tem maior propensão para infartos e derrames, doenças como diabetes, além de piora no desempenho em geral”, conclui o especialista.

O que não fazer:

  • Exercícios físicos muito intensos não devem ser praticados antes de dormir. Segundo o especialista, eles podem diminuir o sono, já que o corpo leva mais tempo para desacelerar.
  • O consumo de bebidas alcoólicas, ao contrário do que muitos pensam, também não contribui para a boa qualidade do sono. O professor esclarece que a bebida costuma fragmentar o sono, com muitos despertares. Assim, quando o indivíduo acorda, a sensação é de ainda estar cansado.
  • Atitudes como fugir do café e de outros estimulantes, como o chá preto, o mate e alguns refrigerantes, à noite, também fazem parte da higiene do sono. Outra dica do especialista é de usar o quarto só para dormir. “Evitar ler, falar ao telefone ou comer entre os lençóis. Se a pessoa estiver com insônia, esperar que o sono venha novamente para depois voltar para cama”, orienta.

Texto: Assessoria de Comunicação Social da Faculdade de Medicina da UFMG

Fonte: Faculdade de Medicina da UFMG

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *