Educação e lazer

Devido à diminuição da jornada de trabalho conseguida através da revolução industrial, o indivíduo adquiriu a extensão de um tempo chamado tempo livre, que já existia desde a antiguidade e significa o tempo de “não trabalho”, onde se pode utilizar para fazer o que, porque, para quê e da forma que quiser.

Com a ampliação do tempo livre, e este cada vez mais disponível para os indivíduos da sociedade, torna-se mais difícil ocupá-lo com algo importante a ser feito, mesmo que tais atividades sejam de lazer e por serem assim, imprescindíveis ao bem estar social., está cada vez mais difícil de preencher esse tempo na sociedade em que vivemos.

A internet, a TV, os jogos eletrônicos tomam tempo e espaço das atividades culturais, sociais que poderiam ser praticadas por crianças, jovens e adultos. Inclusive a inteligência e os padrões comportamentais e estéticos estão sendo alterados por causa do mau uso do chamado tempo livre.

As atividades de lazer, por estarem diretamente ligadas com o prazer intrínseco de quem participa, ocupam a mente e o corpo, e por conseguinte não os deixa tornarem-se ociosos, aumentando o risco de cardiopatias, por exemplo. Deveríamos promover a chamada educação para o lazer, tema cada vez mais abordado por estudiosos desse tema que nos fascina que é o lazer.

Marlene Guerra sugere educar famílias para que levem mais seus filhos a praças públicas, parques, sítios e praias, onde podem ocorrer atividades conduzidas por profissionais do lazer devidamente treinados para atender a todo tipo de público que se propõe praticar um lazer saudável. Ou podemos criar um sistema de recreação Industrial executado por líderes treinados visando a maior produção do trabalho, e por conseqüência o bem estar do trabalhador.

Seja trabalhando em prol do desenvolvimento pessoal, social, cultural e educacional dos indivíduos de qualquer sociedade ou apenas promovendo o bem estar nas pessoas, o ser humano atual deve estar pronto para enfrentar as dificuldades do dia a dia com alegria, bom humor e bom senso, características cada vez mais difíceis de se encontrar em alguém, devido ao stress cotidiano.

O profissional do Lazer e da Recreação, destacando que haja formação, tem qualidades suficientes para aprimorar essa qualidade de vida que se espera obter na sociedade violenta em que vivemos. Como seriam os jovens de hoje se há anos atrás brincassem em praças públicas com seus verdadeiros pais que hoje não tem tempo nem para um bate papo?

Como estariam os jovens se ao invés de apenas assistir ao Sítio do Pica Pau Amarelo, também lessem a obra de Monteiro Lobato? Os pais de hoje em dia que não colocam seus filhos para ouvir as músicas da peça de teatro infantil Casa de Brinquedos, ou Saltimbancos, mas ouvem sim, Eguinha Pocotó e Dogão é mau!

Temos que incentivar as crianças a criarem e recriarem e por fim recrearem! Werneck acredita que “o lazer seja uma pratica social relacionada ás diferentes dimensões de nossa sociedade. Sobretudo deve ser compreendido como um direito social e como uma possibilidade de produzir e consumir cultura”. Devemos pensar em produzir lazer sem nos esquecermos de produzir cultura, educação.

As atividades de lazer estão diretamente ligadas a produção desta cultura que por sua vez fazem parte de uma educação que, aparentemente nos dias de hoje está fadada a fracassos. Vinícius Ricardo Cavallari, cita o surgimento do stress devido o desenvolvimento da tecnologia e do progresso e por isso as pessoas vão buscando o bem estar físico, mental, social, cultural e emocional, sinônimos de qualidade de vida.

Será que com a pratica de lazeres mais direcionados para o desenvolvimento cultural de crianças e jovens, não podemos promover uma melhora na educação mesmo que fora da escola e de casa? Podemos em praça pública fornecer bases para estimular a arte de se relacionar com o outro, aceitar as diferenças, criar, recriar, se encantar com coisas simples e belas, dar valor à educação que lhes é dada por instituições de ensino, ou pelos pais poucos presentes.

Temos que atentar para as necessidades de quem constituirá o nosso futuro, e conscientemente promover imediatamente a melhora da qualidade do tempo livre que temos hoje em nossas sociedade. O aumento do tempo livre foi uma conquista histórica que não devemos desperdiçar, assim como o médico não pode desperdiçar um segundo em sua cirurgia para salvar seu paciente.

Profissionais da Educação Física, Turismo, Pedagogia, Hotelaria, Lazer e Recreação e áreas afins, façamos de nossas profissões alicerces coesos na construção e produção de qualidade de vida para que nós mesmos e nossos filhos não soframos as conseqüências do nosso mau aproveitamento do chamado tempo livre.

Textos como estes são frutos de um trabalho de pesquisa


Referências Bibliográficas:

 

  • AWAD, Hani Zehdi Amine. Brinque, Jogue, Cante e Encante com a Recreação: Conteúdos de Aplicação Pedagógica. Teórico/Prático. Jundiaí, Editora Fontoura, 2004.
  • CAMARGO, Luis O de Lima. O que é lazer?. São Paulo. Brasiliense, 1997.
  • CAVALLARI, Vinicius Ricardo. Trabalhando com Recreação. 4 ed. SP: ÍCONE, 2000.
  • MARCELINO, Nelson Carvalho. Lazer e Educação. Campinas, Papirus, 1987.
  • PIMENTEL, Giuliano. Lazer, fundamentos, estratégias e atuação profissional. Jundiaí. Fontoura, 2003.

Texto:
Prof. Maurício Leandro – “Choquito” – CREF nº 03560 – G/BA

  • Prof. de Fund. Recreação e Lazer II – FACSUL – Itabuna / Bahia
  • Assessor de Eventos da Educação Física FACSUL – Itabuna / Bahia
  • Prof. de Estágios em Recreação e Lazer das Faculdades Integradas Montenegro – Ibicaraí / Bahia
  • Coordenador de Recreação da Cooperativa do Fitness – CDOFwww.tiochoquito.com.br

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *