Exercício intenso versus exercício moderado, perfil lipídico e níveis de adiponectina

13898784-illustration-of-an-overweight-boy-exercisingA adiponectina é um hormônio proteico que modula vários processos metabólicos que inclui a regulação glicêmica e o catabolismo lipídico. É secretada pelo tecido adiposo e seus níveis plasmáticos estão inversamente relacionados com o percentual de gordura corporal. Baixas concentrações de adiponectina estão diretamente associadas ao desenvolvimento de doenças relacionadas à obesidade.

Alguns estudos relacionam sua concentração de forma inversa com patologias como diabetes, hipertensão e problemas cardiovasculares. Um decréscimo nos níveis plasmáticos de adiponectina tem sido relacionado diretamente com a presença da resistência à insulina. Além disso, a adiponectina apresenta um efeito protetor para o organismo apresentando um efeito anti-inflamatório.

Outros estudos porém relatam que não existem evidências consistentes de que as intervenções destinadas a aumentar os níveis de adiponectina vai melhorar a sensibilidade à insulina ou risco de diabetes tipo 2.

Um estudo investigou os efeitos de 12 semanas de treinamento intervalado de alta intensidade e do treinamento de intensidade moderada sobre o perfil lipídico sanguíneo e os níveis plasmáticos de adiponectina.

Neste estudo, 34 adolescentes obesas foram divididas em 3 grupos. O primeiro grupo foi composto por 11 garotas e realizou treinamentos intervalados intensos. O segundo grupo também foi composto por 11 garotas e realizou exercícios intervalados de intensidade moderada. Outras 12 garotas participaram do grupo controle.  Foram analisados o consumo máximo de oxigênio, a velocidade aeróbica máxima, níveis plasmáticos de lipídios e de adiponectina antes e após o período de treinamento.

Após as 12 semanas de treinamento, tanto as garotas que realizaram exercícios intensos como as que realizaram exercícios moderados tiveram redução do IMC e do percentual de gordura corporal e um aumento da velocidade aeróbica máxima.

Níveis plasmáticos de LDL, HDL e de adiponectina foram alterados de forma positiva tanto no grupo que realizou exercícios intensos quanto no grupo que realizou exercícios moderados.  Também foi observada uma redução significativa no índice usual de resistência à insulina em ambos os grupos.

Porém, somente o grupo que realizou exercícios intensos obteve uma redução significativa no perímetro da cintura, na quantidade de triglicerídeos e do colesterol total.

Um outro estudo examinou os efeitos da atividade física sobre os níveis plasmáticos de adiponectina. 16 homens obesos ou com sobrepeso (idades entre 35 a 50 anos) com diabetes tipo 2 participaram deste estudo. 8 destes homens andaram 30 minutos em uma esteira ergométrica, 4 vezes na semana durante 12 semanas. Os outros 8 homens participaram do grupo controle. Os resultados mostraram uma redução do IMC, do peso corporal total, do tecido adiposo visceral e subcutâneo. Por outro lado, os níveis plasmáticos de adiponectina e os marcadores da resistência à insulina não se alteraram significativamente.

Os resultados destes estudos mostram que o treinamento físico pode alterar de forma significativa a quantidade de gordura corporal, o IMC e o perfil lipídico sanguíneo. Quanto as alterações nos níveis plasmáticos de adiponectina, os resultados apresentados pelo exercício intenso parecem ser mais satisfatórios do que os resultados apresentados pelo exercício de intensidade moderada.

Referências:

Callegari, F.V.R.; Leite, C.M.; Franci, J.A.A.; Reis, R.M.; Ferriani, R.A.; Sá, M.F.S.; Maranhão, T.M.O. Adiponectina: elo entre obesidade, resistência à insulina e síndrome do ovário policístico? Femina; 37(5):288-291, maio 2009.

Gentil. P. Emagrecimento. Quebrando Mitos e mudando paradigmas. Sprint , Rio de Janeiro, 2010.

Moghadasi M.; Mohebbi H.; Rahmani-Nia F.; Hassan-Nia S.; Noroozi H.. Effects of short-term lifestyle activity modification on adiponectin mRNA expression and plasma concentrations. Eur J Sport Sci. 2013 Jul;13(4):378-85.

Racil G.; Ben Ounis O.; Hammouda O.; Kallel A.; Zouhal H.; Chamari K.; Amri M.. Effects of high vs. moderate exercise intensity during interval training on lipids and adiponectin levels in obese young females. Eur J Appl Physiol. 2013 Jul 4.

Yaghootkar, H.; et al. Mendelian Randomisation Studies Do Not Support a Causal Role for Reduced Circulating Adiponectin Levels in Insulin Resistance and Type 2 Diabetes. Diabetes. 2013 Jul 8



Luciano Carlos Fernandes

Professor de Educação Física – CREF 6 / MG – 4812 G
Especialista em Treinamento Desportivo – UFV
Editor do www.educacaofisica.org

One thought on “Exercício intenso versus exercício moderado, perfil lipídico e níveis de adiponectina

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *