Informações sobre a frequência cardíaca

fcA frequência cardíaca (FC) é uma variável simples que fornece importantes informações sobre o sistema cardiovascular. Ela reflete a quantidade de trabalho que o coração realiza e aumenta proporcionalmente aos aumentos das demandas metabólicas durante o exercício.

A frequência cardíaca de repouso (FCR) em média gira em torno de 60 a 80 batimentos por minuto (bpm). Em indivíduos sedentários a FCR pode ultrapassar a 100 bpm.

Geralmente, uma menor FCR implica a função cardíaca mais eficiente, ou seja, uma melhor capacidade cardiovascular. Um atleta bem treinado pode ter um FCR normal em torno de 40 bpm.

Além disso a FCR também pode ser influenciada por fatores ambientais (aumenta em altas temperaturas e altitudes) e também diminui com a idade.

Embora exista uma grande faixa de FCR considerada normal, uma FCR muito elevada ou muito baixa pode indicar algum problema. É importante consultar um cardiologista se a FCR estiver abaixo de 60 bpm ou acima de 100 bpm. Isto pode representar uma braquicardia (se estiver muito baixa) ou taquicardia (se estiver elevada), principalmente se outros sinais como desmaios, tonturas e falta de ar estiverem associados. A American Heart Association considera como sintoma de taquicardia a FCR acima de 100 bpm.

Muitas pessoas confundem a FCR com a frequência cardíaca pré-exercício (FCPE). A FCR deve ser mensurada em condições de relaxamento total, pela manhã, antes do sujeito se levantar. Antes dos exercício a FC geralmente aumenta em função da liberação de noradrenalina e adrenalina pelo sistema nervoso simpático e pelas glândulas adrenais respectivamente.

Para mensurar a FC cardíaca basta tocar o pulso. Isto pode ser realizado colocando os dedos sobre a artéria radial. Outra forma mais precisa de monitoração da FC é através da utilização de monitores cardíacos. Existem diferentes modelos de diferentes marcas no mercado e que são bastante precisos.

Muitos fatores podem influenciar a FC:

  • Tipo de atividade física (intensidade e duração).
  • Nível de aptidão física do sujeito.
  • Idade.
  • Fatores ambientais (altitude, temperatura, umidade relativa do ar).
  • A posição do corpo (em pé ou na posição deitada)
  • Fatores emocionais.
  • Tamanho corporal.
  • Uso de medicamentos.
  • Níveis de hidratação.

Durante o exercício a FC aumenta proporcionalmente ao aumento da intensidade do exercício até o ponto próximo da exaustão. A partir deste ponto a FC começa a se estabilizar. Neste momento podemos dizer que o sujeito está chegando próximo da frequência cardíaca máxima (FCM). A FCM é a máxima frequência que o sujeito consegue atingir num esforço máximo até a exaustão. A FCM também é reduzida com a idade. Uma forma comum de estimar a FCM é subtraindo a idade de 220. Porém, este cálculo é apenas uma estimativa uma vez que não leva em consideração outras características individuais do sujeito.

Se o exercício for submáximo normalmente a FC é mantida num ritmo estável após um aumento inicial. Neste momento dizemos que o sujeito atingiu a sua frequência cardíaca do estado estável (FCEE). Em outras palavras, neste momento o sujeito atingiu uma FC capaz de suprir as demandas circulatórias em uma determinada taxa de trabalho.

A FC é comumente utilizada como referência para prescrição de treinamentos por sua relação direta com o consumo de oxigênio. Embora seja uma variável útil e de fácil mensuração devemos ter cuidados na hora de utilizá-la pois existem muitos problemas potencialmente vinculados ao seu uso com consequentes limitações.

Referências:

American Heart Association. Tachycardia | Fast Heart Rate [online]. Disponível em: http://www.heart.org/HEARTORG/Conditions/Arrhythmia/AboutArrhythmia/Tachycardia_UCM_302018_Article.jsp

McNeely, E.. Cinco regras para monitoramento de frequência cardíaca. [online]. Disponível em: https://www.educacaofisica.org/wp/cinco-regras-de-monitoramento-de-frequencia-cardiaca/

Wilmore, J.H.; Costill, D.L.. Fisiologia do Esporte e do Exercício. São Paulo, Manole, 2002.

Luciano Carlos Fernandes
Professor de Educação Física – CREF 6 / MG – 4812 G
Especialista em Treinamento Desportivo – UFV
Editor do www.educacaofisica.org

 

Leia também o texto:

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *