Limiar do estresse

A relação entre esforço e custo energético

O desafio principal no desenvolvimento de metodologias de treinamento encontra-se em saber programar uma periodização que leve em consideração uma relação ideal entre quantidade de esforço e tempo de recuperação desse esforço, propiciando, dessa forma, a aquisição de um condicionamento físico que permita a realização de esforços mais intensos, com um custo energético menor.

É importante lembrar, no entanto, que tanto a quantidade quanto a qualidade do estímulo produzirão uma resposta adaptativa positiva, somente quando o organismo se encontrar preparado para ‘resistir’ a esse estímulo. Quando não há um sincronismo otimizado entre ‘intensidade x duração x freqüência’ de esforço e tempo de recuperação pode ocorrer uma sobrecarga de determinado sistema biológico, ocasionando superatividade tanto metabólica quanto funcional e até mesmo ruptura dos mecanismos de defesa do organismo. Neste caso, estamos falando da síndrome do supertreinamento ou overtraining.

A síndrome do overtraining é considerada um problema sério dentro dos esportes, entre eles o futebol, uma vez que seus efeitos adversos, dentre eles, o decréscimo da performance, aumento do grau de fadiga, maior incidência de lesões músculo-articulares, perda de apetite e mudança no estado de humor, dentre vários outros, podem prejudicar sobremaneira o trabalho cotidiano de técnicos, preparadores físicos e atletas, principalmente, ´pois o overtraining, uma vez instalado, não é facilmente revertido, podendo levar várias semanas ou meses para a recuperação.

A bioquímica é uma ciência experimental, que permite a quantificação das alterações celulares induzidas por estresse. Ou seja, diferentes níveis de estresse e alterações musculares podem ser mensurados (marcados) através de análises específicas, possíveis de serem feitas em diferentes tecidos ou no sangue e suas frações.

A linha de pesquisa central do Labex, que norteará os trabalhos do Instituto de Bioquímica é a aplicação de uma nova tecnologia de avaliação física, denominada de Limiar de Estresse, determinada através da avaliação de diferentes análises bioquímicas no sangue de jogadores de futebol tanto durante a pré-temporada quanto durante as competições. A idéia é poder monitorar a intensidade empregada no treino, de forma a estabelecer o limiar individual de estresse e separar do esquema de treino planejado apenas aqueles atletas detectados no limiar, ajustando momentaneamente suas cargas de treino.

O principal objetivo é propiciar ao grupo todo de jogadores o máximo de condicionamento físico com o mínimo de lesão muscular de origem metabólica, contribuindo com o trabalho multidisciplinar, importante e necessário para o futebol.

Todos os resultados sobre a técnica de Limiar de Estresse e de outras pesquisas sobre as inter-relações metabólicas envolvidas com o exercício físico realizadas pelos pesquisadores do Labex serão disponibilizados no Instituto de Bioquímica, abrindo espaço para todos aqueles que se interessem pelos aspectos metabólicos da atividade física.

Texto:
Denise Vaz Macedo

 Fonte: Universidade do Futebol

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *