Metabolismo de proteínas após o exercício

Têm-se recomendado aos atletas o uso de carboidratos e aminoácidos, que além da reposição dos fluidos, são importantes para a recuperação após os exercícios. Uma série de experimentos com camundongos, mostraram uma recuperação mais rápida apos o exercício com o aminoácido, leucina (encontrada em produtos protéicos, tais como, carne e laticínios.

Esse aminoácido, leucina, teria uma ação específica sobre os músculos esqueléticos, estimulando a síntese protéica nos músculos, fornecendo combustível para os mesmos, auxiliando na manutenção da glicose no sangue. Essa atividade não é observada quando o consumo da proteína ou da leucina ocorre antes ou durante o exercício, tem um impacto dramático na síntese protéica durante o período de recuperação após o exercício.

S. L. Miller e colaboradores, da Universidade do Texas, avaliaram os efeitos do consumo de aminoácidos (6 gr) e/ou carboidratos (35 gr) no metabolismo de proteínas no músculo da perna. Esses alimentos foram ingeridos 1 e 2 horas após exercícios de resistência. Após o início de uma infusão contínua de 2H5-fenilalanina e 15N-uréia, os voluntários realizaram exercícios de resistência e então ingeriram três tipos de soluções (aminoácidos (AA), carboidrato (CHO) ou AA e CHO (MIX) em 1 e 2 horas após o exercício. O consumo total de fenilalanina na perna após 3 horas foi alto em resposta ao MIX e baixo em reposta ao CHO.

Os valores individuais para CHO, MIX, e AA foram 53 ± 6, 114 ± 38, e 71 ± 13 mg•perna-1•3 h-1. O estímulo de um maior consumo com a MIX foi devido a uma maior síntese de proteínas no músculo. Esses resultados indicam que o efeito combinado da ingestão de aminoácidos e carboidratos na síntese de proteínas é comparável à soma dos efeitos individuais de cada tipo de nutriente. Estes efeitos são dependentes da dose de aminoácido ou carboidrato ingerida. Observou-se também que a ingestão prévia de aminoácidos e carboidratos não altera a resposta metabólica a uma segunda dose ingerida uma hora depois.

Referência:
Med Sci Sports Exerc 2003 Mar;35(3):449-55

Fonte:
Revista de Atualização Médica

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *