O valor da recreação no incentivo a prática da Educação Física no Colégio Estadual Ana Nery

RESUMO

O presente estudo dessa pesquisa que tem como ponto central a falta de motivação dos alunos de 5ª a 8ª a prática da Educação Física. A curiosidade deste assunto surgiu a partir das vivencias das aulas aplicadas na prática de Ensino do Estágio Supervisionado no Ensino Fundamental teve como objetivo o de conhecer os motivos que levam os alunos do Ensino Fundamental de 5ª a 8ª a se sentirem desmotivados a participar das aulas de Educação Física. Para poder entender os motivos e significados desta prática, através da literatura para fundamentar o ensino fundamental, as tendências na Educação Física e sua prática, o estudo da recreação e suas diferentes divisões A metodologia utilizada baseou-se em pesquisas quantitativas, para isso coletaram-se as informações através de entrevistas e questionários. Os resultados proporcionaram evidências significativas acerca da falta de motivação dos alunos para participar das aulas de Educação Física como a metodologia utilizada pelo professor, o relacionamento entre professor, aluno e conteúdo.

PALAVRAS-CHAVE: Educação Física, Incentivo, Recreação, motivação.

1. INTRODUÇÃO

Nos meses de estágio no Ensino Fundamental de 5ª a 8ª no Colégio Estadual Ana Nery foram constatados o desinteresse e a falta de motivação dos alunos para a prática da Educação Física. A existência de particularidade na história da prática da Educação Física, principalmente no que diz respeito ao alto número de incidência dos fenômenos da falta de motivação dos alunos para a prática da Educação Física.

No dia-a-dia das aulas para a pratica da Educação Física, tem se observado que o número de alunos que dispensa das aulas de Educação Física, sendo também um dos fatores que também caracterizam a falta de motivação dos alunos para a prática das aulas de Educação Física Escolar. Durante os meses de estágio no ensino fundamental de 5ª a 8ª, observei de uma forma geral o desinteresse, a falta de motivação, a desvalorização dos alunos com as aulas de Educação Física.

Vários fatores contribuem para a falta de motivação dos alunos para a prática das aulas de Educação Física, tendências que vimos no dia-a-dia do âmbito da Educação Física Escolar que desencadeia o desinteresse pelas aulas de Educação Física. Sabendo que o professor é o maior responsável em motivar o aluno a praticar as aulas, fazendo com que o aluno leve este habito para a vida toda, pois toda pessoa passa pela escola para se tornar um cidadão digno e com responsabilidade. O presente estudo propôs investigar os motivos que levam os alunos do Ensino Fundamental a se desmotivarem para a praticar as aulas de Educação Física e como a recreação pode vim ajudar a motivar os alunos a praticarem as aulas de Educação Física.

A recreação é muito importante para o ser humano não só para a criança. Todos nos precisamos dos nossos momentos de lazer. A palavra recreação vem do latin, recreare, cujo significado é recrear. Portanto as atividades recreativas devem ser espontâneas, criativas e que nos traga prazer. Devem ser praticadas de maneira espontânea, diminuindo as tensões e preocupações (TOSETI, 1997, p. 14).

Pois de uma forma ou de outra os problemas pela falta de motivação dos alunos nas aulas de Educação Física é uma realidade escolar que merece ser pesquisada.

O objetivo desse estudo foi identificar e analisar os motivos que levam os alunos do Ensino Fundamental de 5ª a 8ª série do Colégio Estadual Ana Nery a não terem motivação para prática das aulas de Educação Física.

2. O VALOR DA RECREAÇÃO NO INCENTIVO A PRÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO COLÉGIO ESTADUAL ANA NERY DE 5ª A 8ª

Nos meses de estágio no Ensino Fundamental de 5ª a 8ª série no Colégio Estadual Ana Nery foram constatadas o desinteresse e a falta de motivação dos alunos para a prática da Educação Física. Nas aulas de Educação Física muitas atitudes dos alunos, em relação à prática adotada para se trabalhar durante a aula, refletia a atuação do professor. Nas conversas com os alunos mostraram basicamente ouvir o professor e fazer o que ele determina, porém visualizam-se alguns sinais de desinteresse “desencantamento” provocado pelo conhecimento negativo da situação em que se encontra a Educação Física Escolar.

Durante os meses de estágio no ensino fundamental, foram observados de uma forma geral o desinteresse e a desmotivação dos alunos com relação à prática da Educação Física.

Vários fatores contribuem negativamente para a visão que os alunos têm da prática da Educação Física entre eles estão à falta de estrutura física adequada nas escolas para sua prática, materiais adequados e principalmente na questão que diz respeito à prática aplicada pelo professor seu método de ensino. Sabemos que o professor é o maior responsável em motivar o aluno a participar das aulas de Educação Física. Na vivência nas aulas de estágio escolar, no conviver com os alunos no âmbito escolar foram constatadas que os mesmos não se sentiam motivados a participarem das aulas, onde defendia que as aulas sempre seguiam a mesma prática, o mesmo tema em todas as aulas, ou seja, a “mesmice” de sempre, provocando assim o desinteresse e falta de vontade em participar das aulas.

No que se refere à escola pesquisada, conforme depoimento de alunos percebeu que a Educação Física,ao contrário de outras disciplinas que compõem o currículo do ensino fundamental hoje, necessita ainda conquistar o seu espaço no campo legal que legitima sua inclusão obrigatória na grade curricular.
Os depoimentos permitem-me identificar que, neste contexto investigado, possa dizer que a Educação Física tem um espaço, mas que não é legitimado, não tem a mesma importância como as outras matérias.

Segundo o Coletivo de Autores (1992) um dos motivos para não estar ocorrendo o desencadeamento de mudanças, pode ser o fato de os próprios educadores se oporem as novas dinâmicas, parecendo que a forma tradicional é ainda o jeito “mais fácil” de ensinar.

Estudos mostram que a Educação Física pode ter varias finalidades e trabalhada de varias formas e maneiras que motivem o aluno a participar com freqüência das aulas, e uma dessas formas é a recreação desenvolvida junto às aulas de Educação Física.

Primeiramente é preciso explicar que finalidade é definida como o fim último para qual uma determinada atividade existe. Nesse sentido, a finalidade da Educação Física é contribuir para a Educação integral da criança, por meio da prática de atividades físicas racionais e variadas, de acordo com suas necessidades, ou seja, o desenvolvimento, em seu grau mais elevado, nos planos físico, mental e social (HURTADO, 1987, p. 22).

3. A RECREAÇÃO

Sabemos que a recreação constitui um processo eficiente de educação. É um meio de favorecer o desenvolvimento psicosocial e psicomotor de uma criança, um fator de integração, de solidariedade e cooperação entre os colegas. Serviram como sujeitos para presente pesquisa 60 (sessenta) alunos, do Ensino Fundamental de 5ª a 8ª, de ambos os sexos, pertencentes à classe média baixa do Colégio Estadual Ana Nery, situado na Av. São Vicente de Paula, centro Ibicaraí – Bahia. Foram utilizados como instrumento de coleta de dados entrevistas e questionários, compostos de 06 questões.

Nesse período foram aplicadas além dos questionários, várias atividades recreativas, introduzidas durante as aulas de Educação Física. Essas atividades sempre atentando para a ludicidade e o prazer que as atividades propiciam às crianças como fator de motivação e estimulação para realização dos trabalhos sugeridos.

Essas atividades tinham como meta o objetivo de observar a conduta dos alunos durante a aplicação dessas atividades, se gostavam ou não, se lhe motivava a participar, além de mudar a rotina das aulas, fator esse onde os alunos mais reclamavam.

As atividades recreativas devem ser espontâneas, criativas e que nos traga prazer. Devem ser espontânea, diminuindo as tensões e preocupações. Para a criança, a recreação é uma maneira de liberar energias, já que seu espaço para o lazer nas grandes cidades é cada vez mais restrito (TOSETI, 1997, p. 14).

Durante a realização dessas atividades recreativas foram constatadas que o interesse e motivação dos alunos em participar das aulas eram maiores. Onde podemos constatar no gráfico abaixo.

Cabe salientar, que os procedimentos didáticos pedagógicos do professor, também influenciam sobre a qualidade das aulas e, consequentemente, sobre a motivação do aluno. O professor que leva a sério o que faz que alie à sua competência técnica ao compromisso de ensinar, que desperta a criatividade e conduz os alunos à reflexão, certamente não terá alunos desinteressados ou desanimados, mesmo porque, o professor leva grande vantagem sobre os demais componentes curriculares, pois a Educação Física, por si só é uma prática motivadora.

4. METODOLOGIA

A metodologia utilizada baseou-se no estudo de pesquisas quantitativas com estudo de caso. Para isso, analisou-se o contexto escolar, coletaram-se as informações de entrevistas e questionários.

Optei por uma pesquisa quantitativa, que busca compreender os fenômenos nas suas origens.

Pesquisa Quantitativa consistem em investigações de pesquisa empírica cuja principal finalidade é o delineamento ou análise das características de fatos, avaliação de programas. Qualquer um desses estudos pode utilizar métodos formais, tendo como finalidade de fornecer dados para a verificação de hipótese utilizando técnicas como entrevistas e questionários (LAKATOS, MARCONI, 1991, p. 187).

Fizeram parte deste estudo, os alunos que se dispuseram voluntariamente a conceder entrevistas e de responder um questionário. O critério de seleção foi feito da seguinte maneira. Através da intervenção junto às aulas entrando em contato com o aluno. Onde levantamos alguns dados com os alunos de 5ª a 8ª série, no total de 60 alunos.

5. CONCLUSÃO

Ao finalizar a trajetória acadêmica, realizei este estudo com o objetivo de concluir o curso de graduação, cumprindo a ultima etapa do curso.

Os resultados deste estudo que partiu da minha prática no estágio supervisionado mostraram o desinteresse e desmotivação dos alunos com relação às aulas de Educação Física. Encontrei, através das respostas dos alunos entrevistados, dados importantes para que possam vim a ajudar a solucionar esse problema.

Acredito que um dos reflexos do desinteresse dá em função das atividades, sempre o mesmo conteúdo, a mesma aula, durante o ano letivo. Portando uma questão básica, a de que deveria ter uma diferenciação em termos de conteúdo, para que as aulas não se tornem repetitivas, monótonas e consequentemente desmotivantes.

Diante desse quadro foram aplicadas varias atividades recreativas com o objetivo de motivar os alunos a participarem das aulas de Educação Física e também de tirá-los da rotina das aulas. Os resultados foram significativos durante a aplicação das atividades, os alunos demonstraram motivação e interesse em participar das aulas. Assim incentivando os mesmos na prática da Educação Física.

RESULTADOS DA PESQUISA DE CAMPO

O questionário padronizado foi aplicado a 60 alunos do Ensino Fundamental de 5ª a 8ª série no Colégio Estadual Ana Nery na cidade de Ibicaraí – Bahia. Onde procurei através deste, pesquisar se eles alunos se sentiam motivados ou não, a participarem das aulas de Educação Física.

Pude constatar através de dados, que 90% dos alunos reclamavam que as aulas sempre seguiam a mesma prática das aulas anteriores e apenas 10% não se importavam com os métodos das aulas.

Sendo que depois da aplicação das atividades recreativas o mesmo 90% dos alunos se sentiam motivar a participar das aulas freqüentemente. Ou seja, com aplicação de atividades recreativas os alunos mostraram além de interesse motivação para prática no seu dia-a-dia escolar em todas as matérias.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1991.

COLETIVO DEAUTORES: Metodologia do Ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogos, Brinquedo, Brincadeira e a Educação. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2005.

MATUEEU, Anatolli Petrvich. Educação Física Teoria e Metodologia. 1 ed. Rio de Janeiro: Palestra Sport, 1997.

TOSETI, Solange. A Educação Física. Rio Grande do Sul: Edelbra, 1977.

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS TÉCNICO – CIENTÍFICOS. UESC.2006.

Autor: Yatânderson dos Santos Gonçalves
Orientador: Profº Ms. Josué Brandão Junior
Orientador: Profº Esp. Mauricio Leandro

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *