Professor, o que tenho que fazer para crescer?

Muitos praticantes de musculação e estudantes de Educação Física (é claro, não são todos!) fazem esse tipo de pergunta logo quando iniciam um programa de treinamento com pesos e continuam com essa “dúvida” por muito tempo. Quantas perguntas como essa, você praticante de exercícios com pesos já não fez ou escutou? Eu já cansei de ouvir esse tipo de pergunta……..

E sei também o que muitos querem escutar: ah! Esse suplemento é muito bom, ou aquele é melhor, e daí por diante. É claro que em alguns casos, o uso de suplementos se faz necessário, mas como o próprio nome já diz, é um recurso suplementar ao treinamento. Fico pensando o seguinte: nós estudamos fisiologia do exercício, anatomia, bioquímica, treinamento desportivo, biomecânica, a própria musculação, e parece que tudo isso acaba sendo o “suplemento” dentro de um programa de treinamento.

Dá-se muita importância aos suplementos (não estou dizendo que não se deve usar, mas esse recurso não é e nunca será o fator determinante dentro do treinamento). Então o que é o mais importante? Eu respondo para meus alunos e quem me escreve pedindo sugestões:

O PRÓPRIO TREINAMENTO!!

Abaixo, estaremos, mostrando algumas dicas, e se essas forem bem trabalhadas, você terá sucesso no seu treinamento, pois, é o treinamento que irá proporcionar estímulos ao organismo e consequentemente respostas (resultado do treinamento). A base de toda resposta está respaldada no tripé:

1. treinamento;
2. alimentação;
3. descanso.

Se algum desses três itens estiver inadequado, com certeza seu treinamento está indo rumo ao fracasso. Então, se alimente bem, saiba treinar e não esqueça do principal:

SAIBA DESCANSAR!

O descanso é muito importante para se chegar aos resultados pretendidos. Essa é uma dica legal, principalmente se você anda meio cansado com a carga de treinamento, dê um tempo para seu corpo, e ele agradecerá te dando ótimos resultados após alguns dias de descanso, e fique despreocupado, que você não irá destreinar, pois se está realmente cansado, essa pequena pausa lhe trará bons frutos posteriormente.

Muitos devem estar pensando: “mas se já treinei de todas as maneiras, e não consigo melhorar, o que devo fazer? ”Antes de mais nada, saiba que não existe um método de treinamento melhor do que outro, temos que adequar os métodos de treinamento de acordo com o nosso período de treino e com nossos objetivos!! Essa é mais uma dica.

Devemos levar em consideração vários fatores como: tempo de intervalo, tempo de execução, percentual de carga, velocidade de execução do movimento, posição inicial, posição final, estratégias de suplementação (estão vendo como não sou contra a suplementação?) variação da carga ao longo das semanas, meses e anos de treinamento (método ondulatório de treinamento). Você já fez todas as alterações dentro do programa de treinamento?

OUTRA DICA!!

Um detalhe importante que muitos esquecem de fazer avaliações periódicas da performance. Calma, vou explicar….Nós sabemos que o intervalo entre uma avaliação física e outra não deve passar de 3 meses. E quando vamos avaliar, ficamos somente preocupados com o perímetro de perna, o quanto de gordura que diminuiu, se a estética melhorou…

MAIS UMA DICA:

Quando avaliamos, e esperamos muito tempo (mais de 3 meses) para realizar um novo teste e através deste montar um novo programa de treino, sabe o que pode acontecer? Caso a carga estipulada em testes anteriores fosse quantificada de forma inadequada, o atleta poderá estar treinando muito acima ou abaixo da capacidade dele. Por isso se faz necessário a realização de testes com períodos curtos entre eles. Com isso, o risco do atleta sofrer um destreinamento (se a carga estipulada estiver muito baixa) ou sofrer um excesso de treino / overtreinamento (se a carga estipulada estiver muito alta). Ok?

Se fizermos isso, e algo estiver realmente errado, temos tempo de “concertar” o treino antes que o mesmo nos leve a fadiga, lesões ou ao destreinamento. Concluindo, na musculação não é interessante elaborar programas de treino muito longo, bem diferente de outras modalidades esportivas.

BONS TREINOS!!

 

Texto: Prof. Ms. Fabiano Peres

Mestre em Educação Física pela UNIMEP.

Especialista em Fisiologia do Exercício pela UNIFESP.

 

 

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *