Jul 13

Força muscular, composição corporal e desempenho de arremessadores de peso

ARREMESSOPESOA ideia de que a massa muscular e a força estão intimamente relacionadas com o desempenho dos atletas de arremesso e lançamentos no atletismo faz parte do senso comum. Mas será que existe mesmo uma relação entre estas variáveis? Existem poucos dados na literatura que investigam estas relações.

Aqui analisamos dois estudos desenvolvidos por pesquisadores da Escola de Educação Física e Ciências do Desporto da Universidade de Atenas, Grécia. Eles correlacionaram a massa muscular com o desempenho de atletas arremessadores de peso.

Um primeiro estudo investigou a relação entre a massa corporal magra e o desempenho no arremesso de peso no início do ciclo de preparação e no primeiro pico da temporada (após 12 semanas) em atletas de elite.

Oito atletas arremessadores de peso de nível nacional seguiram seus programas individuais de treinamento por um período de 12 semanas visando o campeonato grego de atletismo. Foram analisados o desempenho no arremesso utilizando a técnica rotacional e do arremesso parado (da posição de potência) antes e após este período de 12 semanas. A composição corporal foi determinada antes e após o período de treinamento através da absorciometria com Raios-X de Dupla Energia (ACDE-DEXA). Continue reading

Jun 24

Autofala melhora desempenho de iniciantes

A utilização do controle verbal da autofala ajuda a melhorar o desempenho de iniciantes em simulações esportivas. Segundo o psicólogo Eduardo Neves Pedrosa de Cillo, atletas ou praticantes que se utilizam da autofala, seja ela instruída ou modelada, têm desempenho significativamente melhor que aqueles que não se utilizam de controle verbal. A diferença nos resultados pode chegar a até 12,5%.

Autofala é uma das técnicas utilizadas na psicologia do esporte para aumento de concentração. Pode ser usada por atletas principalmente antes da execução de tarefas como por exemplo a cobrança de pênalti no futebol, o lance livre no basquete ou a rebatida no beisebol. A autofala instruída é aquela imposta pelo treinador, na qual o praticante apenas reproduz o que lhe for instruído. Já a modelada é construída a partir de um diálogo entre o orientador da tarefa e o praticante. Continue reading

Jun 23

Estresse prejudica desempenho na cobrança de pênalti

O estresse interfere diretamente no desempenho dos jogadores de futebol. De acordo com uma pesquisa realizada no Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP, em situações como cobrança de pênalti o estresse afeta consideravelmente a resposta motora.

Em sua tese de doutorado defendido no ICB, o pesquisador Nelson Toshiyiki Miyamoto pediu para voluntários executarem uma tarefa que simulava em computador alguns aspectos das cobranças de pênalti do futebol. Os testes foram separados em duas situações: voluntários sozinhos e sob pressão de torcida. Nesta última condição, os voluntários não ultrapassaram 80% de aproveitamento, mesmo o goleiro dando pistas de que iria pular para um dos lados e o cobrador tendo tempo para escolher o lado para o qual chutar. Continue reading
Jun 20

Pesquisa demonstra que cafeína melhora desempenho de ciclistas

Ciclistas que ingerem cafeína anidra uma hora antes da realização de exercício de curta duração, em competições, podem ter melhor desempenho na prova. Este foi o resultado da pesquisa feita pelo profissional de Educação Física Leandro Ricardo Altimari, depois de realizar mais de cem testes físicos, em uma parceria entre os laboratórios de Estudos Eletromiográficos e o de Fisiologia do Exercício, ambos da Faculdade de Educação Física (FEF).

Orientado pelo professor Antonio Carlos de Moraes, Altimari concluiu que a ingestão de seis miligramas de cafeína por quilo de peso corporal aumenta o tempo de exaustão e atenua a taxa de fadiga muscular do atleta. Isto significa que o ciclista se mantém mais tempo fazendo exercício de alta intensidade. Continue reading

Feb 28

Tênis de corrida amaciados têm melhor desempenho

Amaciar calçados novos pode trazer benefícios para atletas de corrida

Amaciar calçados novos antes de utilizá-los talvez não seja uma prática que apenas aumenta o conforto nos pés de quem os usa, principalmente para praticantes de corrida. Fazer isso pode também contribuir ligeiramente para o desempenho inicial dos tênis, nos aspectos da absorção de impactos e da distribuição do peso. “Não é quando o calçado está novo que ele apresenta os melhores resultados, mas após um certo período de uso”, explica o educador físico Roberto Bianco, em seu estudo de mestrado “Caracterização das respostas dinâmicas da corrida com calçados esportivos em diferentes estados de uso”; na Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP.

Em sua pesquisa, Bianco analisou três modelos de tênis de corrida: dois específicos para competição e um para treinamento, finalidades definidas pelas empresas fabricantes. Após 100 quilômetros de uso, houve uma pequena redução do impacto e um significativo aumento de 5,6 centímetros quadrados (cm2) na área de contato entre o pé do usuário e o calçado, pela média das medidas. “Com isso, o peso do atleta fica distribuído em uma superfície maior, melhorando a interação entre o sujeito e o equipamento”. Continue reading