Jun 28

Vício da malhação é apontado como tão prejudicial quanto o sedentarismo

Vício de malhar existe?

Vício da malhação e problemas que podem advir dele foram tema de reportagem publicada no site Metropoli, cujo texto enfatiza que os prejuízos aos viciados podem ser no mesmo nível dos sedentários. Em casos mais extremos, diz a reportagem, o indivíduo pode desenvolver um transtorno denominado vigorexia, que o faz se achar mais magro ou fraco do que é, enquanto seus músculos incham.

E sobre isso fala o reumatologista Fabio Jennings, membro da Comissão de Reabilitação da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR). Para começar, ele acha que o termo “vício de malhação” está inadequado para o conteúdo da reportagem. Segundo Jennings, a vigorexia refere-se mais a uma alteração da imagem corporal do que à dependência psicológica de exercitar. Continue reading

Jun 28

Exercício na menopausa previne lesões em mulheres

melhoranutricionalidosoUm estudo desenvolvido na Faculdade de Medicina (FMUSP) apontou que exercícios de fortalecimento muscular dos membros inferiores e atividades de promoção do equilíbrio, uma vez feitos desde o início da menopausa, podem ser efetivos na prevenção de quedas e fraturas no período imediatamente após o climatério.

A pesquisa buscou identificar se as mulheres que apresentavam osteoporose lombar tinham um equilíbrio inferior quando ficavam em pé, comparadas com mulheres sem a doença. A análise observou que, em mulheres que vivem uma primeira fase de menopausa, entre 55 e 65 anos, não há diferença na força muscular do joelho e no equilíbrio postural nos dois grupos. A osteoporose é uma doença caracterizada pela diminuição do tecido ósseo, com aumento da fragilidade dos ossos e do risco de fraturas. Continue reading

Jun 28

Aeróbio e Musculação

A busca pela ciência não significa abandono do pensamento próprio nem mesmo da intuição, a leitura de um artigo nada vale sem a visão crítica do leitor. Normalmente os autores de artigos ou qualquer material para estudo não objetivam botar um ponto final na discussão, mas sim alimentar a chama que impulsiona a obtenção dos conhecimentos. Com a discussão sobre aeróbios e musculação a postura não deve ser diferente… Há muita dúvida acerca do tema, basicamente faz-se duas perguntas: “O aeróbio atrapalha a musculação?” ou “Qual a melhor ordem das atividades: aeróbio antes ou depois?” Continue reading

Jun 27

Exercícios físicos preventivos, o melhor remédio para a osteoporose

Mulheres com osteoporose na pós-menopausa devem realizar exercícios físicos preventivos. Quem recomenda é a fisioterapeuta Sylvia Henriques em sua tese de doutorado “Alterações musculoesqueléticas de risco para quedas em mulheres na pós-menopausa com osteoporose”, defendida na Faculdade de Ciências Médicas (FCM) e orientada pela professora Lúcia Costa Paiva.

Ao receber o diagnóstico da doença que evolui com o passar dos anos, em geral, as mulheres procuram atividades físicas nem sempre adequadas, optando muitas vezes por exercícios na água. Sylvia esclarece, no entanto, que a prática de exercícios com peso e impacto, envolvendo grandes grupos musculares e com ação da gravidade, desde que de forma direcionada e supervisionada por especialistas, acaba estimulando o processo de remodelação óssea, melhora as condições musculoesqueléticas gerais, diminuindo o risco para quedas e, conseqüentemente, possíveis fraturas. Continue reading

Jun 26

Conversando sobre Saúde

A saúde humana é composta pela interação e equilíbrio dos mecanismos abaixo relacionados:

É imperativo que o profissional de educação física possua uma visão de seu trabalho voltada para o desenvolvimento dos aspectos relacionados a saúde e a interação do ser com o mundo. A atual visão holística do homem não é modismo; é sim uma necessidade, e como tal deve ser trabalhada. A produção holística tem que ser cristalizada por meio do trabalho, tarefa árdua e permanente que todos aqueles profissionais das áreas envolvidas no processo educacional do Homem, terão que experimentar.

Os treinamentos voltados apenas para fins estéticos, devem ser repensados. A comunidade de uma forma geral deve interferir sobre os padrões a ela impostos, principalmente por mecanismos manipuladores de mídia e mercado. O homem necessita de treinamentos físicos variados e contínuos. A idade avançada ou a falta de experiência esportiva, não devem servir como motivo para qualquer tipo de impedimento para o início e continuidade de um treinamento. São impedimentos para o desenvolvimento de atividades físicas e esportivas, problemas relacionados ao funcionamento inadequado do organismo, doenças crônicas etc, relatadas e diagnosticadas por um médico, principalmente especializado em medicina esportiva.

Procure sempre um médico de sua confiança ou conhecimento e procure uma academia ou centro esportivo para que você seja sempre orientado; não admita que uma pessoa não habilitada interfira em seu treino. Opiniões de pessoas não profissionais da educação física ou relacionadas a áreas de saúde não devem ser consideradas. A estética pessoal tem ser respeitada porque é o produto de um conglomerado genético associado a hábitos de vida. Qualquer padronização visando classificar ou impor um padrão estético é incabível, imatura e leviana. Nenhuma forma de discriminação é justificada, principalmente relacionada a fatores de beleza. Todos devem ser respeitados

A beleza possui elementos relativos à cultura de cada país ou de cada região, impossibilitando-nos criar uma regra absoluta. A grande questão está ligada à associação sempre feita entre estética e saúde, estar nos moldes estéticos padronizados não quer dizer necessariamente que o indivíduo estará com uma saúde impecável, assim como não estar esteticamente bem quer dizer estar doente. A saúde é o mais importante, a estética virá sempre em segundo plano, nos casos de trabalhos sérios relacionados à educação física.

A busca por um corpo “perfeito” é uma ilusão criada para vender produtos afins, desde uma simples roupa, passando pelas cirurgias plásticas, pelos alimentos milagrosos e finalizando no absurdo do consumo indiscriminado de esteróides anabólicos, de estimulantes e outros ergogênicos. O excesso ou o baixo peso corporal avaliado por métodos como o I.M.C (índice de massa corporal), são referências limitadas para predizer algo sobre o estado de saúde de um indivíduo, e continuamente são usadas de forma isolada. Não devemos esquecer do conceito de saúde acima citado, e muito menos esquecer da nossa busca permanente pelo equilíbrio. Possuímos na atualidade, formas de prescrição para peso corporal baseados na verificação do percentual de gordura.

Os testes são infinitamente mais sofisticados e mesmo assim, os resultados são questionados, principalmente as classificações permitidas por tais métodos e distribuídas em tabelas. A plenitude compreendida como felicidade, bem estar ou outros conceitos ou referências, é alcançada por meio do desenvolvimento dos elementos pessoais necessários à convivência corporal, social, mental e espiritual.

Entenda-se o termo espiritual, como algo sem relação religiosa e sim interior. O ser humano é único. O homem grotescamente analisado possui uma forma, uma função e uma psique para desfrutar na vida, e deve fazer tudo o quanto possível para ser feliz, contanto que este tudo não o reduza à mediocridade padrão estética da atualidade. “O homem Não pode viver como se nada fosse; como se fosse dados atirados de um copo”… (Erich Froom)


Profissional de Educação Física: Luiz Carlos Chiesa
www.professorchiesa.com.br
Registro CREF 1- 000069 G/ES

  • Graduado pela U.F.E.S-1985/1
  • Pós graduado em Treinamento Desportivo pela Universo/1999.
  • Diretor do CREF 01/ ES.
  • Autor dos livros:
    Musculação: uma proposta de trabalho e desenvolvimento humano, Espírito Santo: Editora da U.F.E.S, 1999.
    Musculação: Aplicações práticas – Técnicas de uso das formas e métodos de treinamento, Rio de Janeiro: editora Shape, 2002.
    A musculação racional. Bases para um treinamento organizado, (em fase de edição; editora PAIDOTRIBO, Barcelona/Espanha).
Jun 26

Exercício: bom para o bebê, ótimo para a gestante

SAÚDE É VITAL! – Ninguém ousa discutir os benefícios da atividade física, mas quando a mulher engravida não faltam mães, tias e avós prontas para recomendar vivamente que a futura mamãe pegue bem leve ou que, no máximo, faça uma caminhadinha. Uma pena. As gestantes podem e devem tirar proveito dos arquiconhecidos efeitos positivos dos exercícios. Para elas mexer-se traz ainda um outro ganho: o risco de um parto prematuro cai pela metade. Isso é o que revelou um estudo inédito, finalista da segunda edição do Prêmio SAÚDE!.

Conduzido pelo professor de educação física Marlos Domingues na Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul, ele avaliou o perfil de absolutamente todas as mulheres que deram à luz naquela cidade gaúcha em 2004 algo em torno de 4 mil mães. A proporção de partos antes do programado foi menor entre aquelas que se exercitaram durante toda a gestação e, principalmente, no terceiro trimestre, justamente o período em que as grávidas costumam reduzir o ritmo. Continue reading

Jun 26

Benefícios e riscos da atividade física para diabéticos

Os exercícios podem oferecer inúmeros benefícios para os portadores de diabetes, porém é necessário que se conheçam os possíveis riscos que um programa de treinamento pode trazer diante desta patologia.

Introdução

Sugere-se que para ocorrência da diabete deve haver uma interação entre predisposição genética e fatores ambientais (SILVEIRA NETO; 2000), dos quais pode-se destacar: obesidade (particularmente a deposição de gordura intra-abdominal), inatividade física e idade avançada. A obesidade diminui o número de receptores insulínicos nas células-alvo em todo o corpo, fazendo com que a quantidade de hormônio disponível seja menos eficaz na promoção de seus efeitos metabólicos (GUYTON & HALL, 1997; FRONTERA, DAWSON & SLOVIK, 1999; SILVEIRA NETO, 2000). Mal-hábitos também podem ser perigosos, a hiperfagia por si só, é responsável por alguns níveis de resistência à insulina, como se pode comprovar pelo declínio nos níveis de glicose plasmática ocorrido em diabéticos do tipo 2 que se submetem a uma dieta de restrição calórica (SILVEIRA NETO; 2000).

Na diabete melito, a maioria das características patológicas pode ser atribuída a um dos três efeitos principais da falta de insulina, a saber: (1) menor utilização de glicose pelas células corporais com conseqüente aumento da concentração sanguínea de glicose; (2) depleção de proteínas nos tecidos corporais; e (3) aumento acentuado da mobilização de gordura das áreas de armazenamento, produzindo metabolismo lipídico anormal e também o depósito de gorduras nas paredes vasculares (GUYTON & HALL, 1997). Continue reading

Jun 26

O papel da fisiologia no aquecimento

Jogadores precisam fazer trabalho a aproximadamente 60% de seu VO2máx

Muito se fala sobre a importância de um aquecimento bem feito para evitar lesões durante a prática de esportes. No entanto, essa atividade também tem influência direta no rendimento dos atletas. Por conta disso, deixou de ser uma incumbência exclusiva do preparador físico e requer um trabalho interdisciplinar com atuação contundente do departamento de fisiologia.

Ainda existem resultados muito conflitantes sobre a efetividade do aquecimento, sobretudo para atividades com predominância anaeróbia. Isso se deve sobretudo às diferenças na formulação dessa prática, como intensidade, tempo de duração, tempo de intervalo e metabolismo mais exigido (alático ou glicolítico) na tarefa a ser executada. Continue reading

Jun 25

Prática de exercícios físicos deve começar na escola

As últimas décadas tem representado um período de mudanças nas condições de vida e de saúde da população brasileira. Os padrões de lazer e trabalho foram modificados, e a qualidade dos alimentos transformada.

Entretanto, a qualidade de vida, principalmente no que se refere à saúde, deve ser priorizada. Desta feita, as modificações no estilo de vida, visando a prevenção de doenças cardiovasculares (DCV), devem iniciar ainda na infância.

A escola, nesse contexto, é um espaço onde se oportuniza o acesso às informações sobre a necessidade do desenvolvimento de hábitos saudáveis para a prevenção de doenças e a manutenção da saúde. Continue reading