Jun 23

Exercícios em Ambientes Frios

A exposição humana em ambientes frios, produz uma solicitação fisiológica e psicológica significativa que ocupa uma posição proeminente entre os diferentes ambientes terrestres em termos de conseqüências letais. Todas as formas de vida são limitadas pelas suas respectivas capacidades de sobreviver a extremos de temperaturas.

Para a maioria dos organismos homeotérmicos, temperaturas baixas, mesmo acima do congelamento, interferem nos processos de metabolismo, resultando disto lesões ou morte. Em contraste com a exposição aos ambientes quentes, em exposição ao frio; o exercício provoca a termogenese, a qual ajuda o organismo a prevenir o resfriamento excessivo do corpo. Continue reading

Jun 23

Treinamento físico é capaz de reduzir problemas cardíacos

O treinamento físico para portadores de disfunção microvasular coronária (DMC) melhora a perfusão miocárdica (chegada do sangue ao coração) e reduz a dor precordial (dor no peito de origem cardíaca), revela pesquisa da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP. Os exercícios foram testados pelo fisioterapeuta Eduardo Elias Vieira de Carvalho, sob orientação do professor Marcus Vinícius Simões, da FMRP. O treino também aumenta a capacidade funcional, a qualidade de vida dos pacientes e complementa o tratamento medicamentoso, que é eficaz em apenas 50% dos casos de DMC.

O estudo foi realizado no Programa de Reabilitação Cardíaca do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (HCFMRP), coordenado pelo professor Lourenço Gallo Junior, dentro do Laboratório de Fisiologia do Exercício da Divisão de Cardiologia da unidade. “O programa é dividido em quatro fases: a hospitalar (fase I), a ambulatorial supervisionada (fase II) em esteiras esgométricas e cicloergômetros, ambulatorial semi supervisionada (fase III) com caminhada na pista de atletismo no campus da USP em Ribeirão Preto, e fase não supervisionada (fase IV) feita em academias ou praças”, conta o fisioterapeuta. Atualmente, o programa possui 480 pacientes ativos cadastrados. Continue reading

Jun 22

Escala aponta alterações de humor em exercícios físicos

Em testes realizados na Escola Preparatória de Cadetes do Exército de Campinas com 123 voluntários a partir da Escala de Humor Brasileira (BRAMS) foi possível aferir as alterações de humor durante diferentes cargas de treinamento físico. Os resultados permitiram traçar o perfil de humor para uma população brasileira fisicamente ativa. “Os testes mostraram ser um instrumento eficiente para monitoramento mais acurado das variações do estado de humor em resposta ao treinamento, visto que fornecem um psicodiagnóstico do estado emocional do atleta. Como estamos tratando de dados subjetivos acerca do humor, é importante validar instrumentos que forneçam uma mensuração mais próxima da realidade do indivíduo”, define a psicológa Dalila Victória Ayala Talmasky. Ela apresentou dissertação de mestrado na Faculdade de Educação Física (FEF), sob orientação do professor Luiz Eduardo Barreto Martins.

A ferramenta é útil para o monitoramento dos aspectos emocionais, os quais são mais pontuais de acordo com os resultados. Dalila Talmasky é psicóloga da seleção paralímpica brasileira de natação e já aplica este mesmo instrumento nos nadadores. Em sua opinião, a principal contribuição deste tipo de investigação está em obter um maior número de informações sobre os sentimentos que são gerados muitas vezes pelos pensamentos e influenciam diretamente no desempenho do atleta. “O importante é entender o quadro, fazer com que o atleta também se conheça melhor e poder intervir de forma específica em alguns pontos que afetam o indivíduo”, explica. Continue reading

Jun 22

Coração, anti-inflamatórios e sal, nos exercícios

Não tem jeito, como Médico do Esporte e Cardiologista sou obrigado a comentar os crescentes usos e abusos da automedicação indiscriminada de anti-inflamatórios analgésicos (exemplo ADVIL®, VOLTAREM®) e os famosos biscoitos salgados, durante treinos e principalmente nas populares provas de rua. A intenção é nobre, não sentir dor muscular ou das articulações quando correr.

Aí é que mora o problema, na boa fé dos esportistas e até de atletas rodados, que viram verdadeiras bombas relógio para a lesão muscular, dos tendões e das articulações dos tornozelos e dos joelhos, que ocorrerá mais dia menos dia, só pelo uso de anti-inflamatórios sem prescrição médica. A dor é um alerta genial da natureza avisando de que algo ruim está acontecendo, aboli-la é deixar de saber que se iniciou uma distensão muscular ou tendinite ou artrite que irá piorar com a continuidade do exercício. Continue reading

Jun 21

Diabetes: Introdução e a importância da atividade física na prevenção e tratamento

O diabetes melito é a mais comum disfunção endócrina do pâncreas, atingindo mais de 150 milhões de pessoas em todo mundo, o que significa que quase 5% da população mundial tem essa doença. No Brasil 7.6% das pessoas entre 30 e 69 anos tem diabetes. O diabetes, se não bem controlado, pode trazer sérios riscos para saúde: como insuficiência renal, cegueira, amputações dos pés e pernas, lesões nervosas e doenças cardiovasculares, como hipertensão e derrame.

O diabetes diminui a capacidade que o organismo tem de metabolizar a glicose retirada dos alimentos, uma vez que essa glicose não consegue penetrar na célula, ficando em altas concentrações na corrente sangüínea, o que acaba por fazer com que os rins tenham que trabalhar mais para poder elimina-la pela urina.

A insulina é o hormônio responsável pelo transporte da glicose para o interior de quase todas as células do corpo. Sabendo disso podemos diferenciar os dois tipos mais comum de diabetes: tipo 1 (insulino-dependente) e tipo 2 (não insulino-dependente). Continue reading

Jun 20

Exercício físico e hipertensão arterial: relato de caso

Paciente I.A., sexo feminino, 56 anos, branca, casada, natural de Campinas, SP, na pós-menopausa, com hipertensão arterial detectada há 6 meses, assintomática, sem uso de medicação, encaminhada para programa de atividade física supervisionada.

Antecedentes pessoais:

  • nega
    – tabagismo,
    – etilismo,
    – diabete,
    – dislipidemias,
    – história prévia de hipertensão arterial,
    – doenças cardiovasculares ou outras doenças crônicas,
    – uso de medicamentos. 
  • Refere sedentarismo.

Antecedentes familiares:

  • pai hipertenso,
  • tio falecido de infarto agudo do miocárdio.

Exame físico:

  • PA = 165 x 100 mmHg,
  • FC = 92,
  • Peso = 60 kg.
  • Não foram encontradas outras anormalidades ao exame físico, exceto exame de fundo de olho, que apresentava aumento do reflexo arteriolar.Exames laboratoriais:
  • sem alterações,
  • ECG normal,
  • teste ergométrico negativo.

Evolução:

  • A paciente foi admitida em programa de condicionamento físico de prevenção primária com treinamento, três vezes por semana, com exercícios isotônicos, com 60% – 70% da freqüência cardíaca máxima, durante período de seis meses, após o qual repetiu o teste ergométrico para comparação evolutiva de parâmetros hemodinâmicos. Durante esse período, não apresentou efeitos adversos relacionados ao programa. Continue reading
Jun 20

Anorgasmia e exercícios

A anorgasmia ou disfunção orgásmica, na mulher, é a falta de sensação de orgasmo na relação sexual. Pode ser primária, quando a mulher nunca teve orgasmo, ou secundária, quando tinha orgasmos e passou a não tê-los mais. Ainda pode ser classificada em absoluta, quando a anorgasmia ocorre sempre, e situacional quando ocorre só em certas situações, constrangedores ou desfavoráveis. A mulher com anorgasmia tem desejo, aproveita as carícias e se excita, porém, algo a bloqueia no momento do orgasmo.

As causas da anorgasmia são inúmeras e complexas, principalmente, de origem psicológica, mas, existem alguns problemas clínicos e orgânicos (anatômicos) que também podem causar anorgasmia, como por exemplo, a forma da vagina, do útero ou dos músculos que formam a região pélvica (região onde se situam os órgãos genitais). Segundo pesquisas recentes realizadas pelo Instituto Kaplan, centro de estudos da sexualidade humana de São Paulo, a cada 100 mulheres que procuram tratamento, 70 reclamam que não conseguem orgasmos. Continue reading

Jun 20

Exercício e Emagrecimento: mitos e verdades

O verão chegou! O calor vai aumentando e a preocupação com o corpo também. Aqueles quilinhos extras adquiridos no inverno precisam ser eliminados a qualquer custo! É como já sabemos, a alimentação balanceada e a prática de exercício físico são as principais maneira de se atingir este objetivo de uma maneira saudável.


Com relação à atividade física, uma das questões que atormenta os freqüentadores dos “templos da malhação” e alguns profissionais da área da saúde, como os profissionais da Educação Física e da Nutrição, é o estabelecimento da intensidade ideal do exercício para o controle do peso corporal.

A construção dos mitos em torno desta questão é sustentada por 3 alicerces, o primeiro seria a dificuldade no entendimento dos sistemas de transferência de energia no organismo, o segundo seria a interpretação equivocada de alguns resultados de pesquisas científicas e o terceiro é o empirismo que norteia a prática da atividade física.

Continue reading

Apr 27

Exercícios físicos auxiliam obesos após cirurgia estomacal

Com ajuda de exercícios físicos aeróbicos (caminhada e/ou corrida), um grupo de onze mulheres que passaram por cirurgia de redução do estômago (gastroplastia) conseguiu perder entre 8,2 e 15 quilos (kg) em três meses. O estudo da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP acompanhou os efeitos dos exercícios em mulheres obesas que se submeteram a cirurgia um ano e meio antes dos testes. Após 12 semanas de treinamento, quatro mulheres apresentaram a classificação de Índice de Massa Corporal (IMC) normal. Continue reading