Nov 28

Efeitos da obesidade na capacidade funcional

obesityovarianA obesidade constitui um fator agravante na redução da qualidade de vida. Esta redução muitas vezes está associada à menor capacidade funcional das pessoas obesas.

Um estudo recente avaliou a relação entre o IMC e a capacidade funcional em mulheres.

Neste estudo participaram 36 mulheres com um IMC ≥ 30 kg/m2 e 10 mulheres com peso normal (IMC entre 18 kg/m2 e 25 kg/m2). O grupo composto por mulheres obesas foi subdividido da seguinte forma: 12 mulheres com um IMC ≥ 30 e <35 (obesidade), 14 mulheres com IMC ≥ 35 e <40 (obesidade grave) e 10 mulheres com um IMC ≥ 40kg/m² (obesidade mórbida).

Todas elas foram submetidas a exames clínicos e a testes específicos que avaliaram a capacidade funcional: teste de marcha, teste de resistência aeróbica (teste de caminhada de 6 minutos), teste de potência de membros inferiores (sentar e levantar) e teste de equilíbrio. Continue reading

Nov 05

Valores de referências para o percentual de gordura corporal

jornadanoturnaeobesidadeQual seria o percentual de gordura corporal adequado? O quanto é considerado excesso de gordura?

Estes questionamentos são um pressuposto de que o percentual de gordura corporal é uma variável importante para a análise da estética, da funcionalidade e do risco de mortalidade.

A classificação do estado de saúde de acordo com a quantidade de gordura corporal sempre foi um assunto em evidência. Presume-se que os riscos para a saúde iniciam-se nos limites superiores de gordura corporal acumulada.

Limites empiricamente identificados muitas vezes são utilizados para estabelecer diretrizes de percentuais de gordura ideais. Existem várias referências na literatura para diferentes populações e muitas destas diretrizes apresentam grandes limitações, seja pelo fato das características específicas das populações estudadas não condizerem com as características de outras populações ou seja pelos métodos nos quais estas diretrizes foram estabelecidas. Continue reading

Jul 01

Informações sobre o Índice de Massa Corporal de crianças e adolescentes


Sobre o IMC para crianças e adolescentes

Em crianças e adolescentes, o crescimento e o estado nutricional são avaliados através de indicadores antropométricos. Um dos indicadores mais utilizados é o Índice de Massa Corporal (IMC).

Existem hoje gráficos de curvas de IMC ajustados para idade e sexo das crianças. Estas curvas foram desenvolvidas a partir de dados longitudinais de alguns países.

Em crianças maiores que 5 anos, as curvas americanas de IMC do  National Center for Health Statistics  (NCHS) são bastante utilizadas. Estas curvas são específicas para cada sexo e consideram como diagnóstico de sobrepeso e obesidade os percentis acima de 85 e 95, respectivamente.

No Brasil, o Ministério da Saúde adota como referência as curvas da Organização Mundial da Saúde para a classificação do IMC de crianças e adolescentes (até 19 anos), considerando os pontos de corte para sobrepesso e obesidade os percentis 85 e 97 respectivamente. Continue reading

Jun 24

Novo critério muda cálculo do Indice de Massa Corporal

Pesquisa da nutricionista Mirele Savegnago Mialich Grecco propõe que o indicativo de obesidade, o corte no Indice de Massa Corporal (IMC), hoje de 30 quilos por metro quadrado (kg/m2), seja de 28,38 kg/m2 para homens e 25,24 kg/m2 para mulheres. O trabalho também propõe uma nova fórmula para obter o IMC, que hoje leva em conta apenas peso e altura, passando a incluir a quantidade de massa gorda (gordura) do corpo. O estudo teve início no mestrado e continuou no doutorado, defendido em junho último no Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, sob orientação do professor Alceu Afonso Jordão Junior.

O IMC atualmente utilizado foi proposto em 1835, pelo estatístico belga Lambert Adolphe Jacques Quételet, e adotado em 1997 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), como referência de medida para a obesidade. Ele é obtido pela divisão do peso da pessoa (em quilos) pelo quadrado de sua estatura (em metros). Além de indicar obesidade para pessoas com IMC igual ou superior a 30,0 kg/m2, ele é referência também para o sobrepeso, que é de 25,0 kg/m2 a 29,9 Kg/m2, e para os considerados normais, que devem estar na faixa entre 18,5 kg/m2 e 24,9 kg/m2. São considerados desnutridos aqueles que estão abaixo de 18,5kg/m2. Continue reading

Jun 20

Quanto você pesa?

Estou acima do peso? Preciso emagrecer… Amanhã vou começar uma “dieta”… Emagrecer … Emagrecer … Emagrecer …

Trabalho com exercícios e atividade física há bastante tempo e frases assim escuto todos os dias. As pessoas fazem tudo para reduzir o seu o peso total, porém o baixo peso não representa, necessariamente, uma estética adequada aos valores padronizados socialmente e muito menos critérios de saúde.

“A massa corporal isoladamente não é considerada um bom parâmetro para identificação de excesso ou carência dos diferentes componentes corporais (gordura, músculos, ossos e resíduos) ou ainda para avaliação das quantidades proporcionais desses componentes” (Costa, 2001).

Esse fenômeno pode ser verificado através da compulsão que as pessoas sentem por balança, afinal balanças são colocadas como chamariz nas farmácias, clinicas de estética e até academias e normalmente aqueles que por elas passam sempre se pesam. Essa preocupação acontece porque as pessoas acham que se estiverem com o peso baixo estarão dentro dos padrões, e isso é impressionante, pois elas realmente acreditam nesse paradigma. Continue reading