May 30

Comida ultra-processada pode causar epidemia de obesidade

Cientistas do Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP estão desenvolvendo estudos com o objetivo de relacionar, a partir de estatísticas comprovadas, o aumento no consumo de alimentos ultra-processados e a epidemia global de obesidade.

Os estudos vão avaliar tipos de processamento e seu impacto potencial sobre a dieta e a saúde; os mecanismos que ligam tais produtos ao chamado ‘sobreconsumo passivo de energia’ e à obesidade; a tendência mundial da participação deles na dieta; e, finalmente, as implicações de tudo isso para as políticas públicas.

Segundo o professor Carlos Augusto Monteiro, que coordena o Núcleo e o estudo, a pesquisa ainda está em sua fase inicial, na formulação de hipóteses — mas os primeiros levantamentos disponíveis mostram que a “comida pronta” tem tudo para ser uma das maiores vilãs do excesso de peso e doenças associadas. Continue reading

Oct 30

Coração dos jovens

Vida moderna ameaça coração dos jovens

Os jovens precisam se cuidar mais. Levantamentos do Sistema Único de Saúde mostram que 20% das mortes provocadas por infarto atingem pessoas na faixa etária doas 20 aos 40 anos no Rio Grande do Norte. O índice é similar ao nacional e mostra que ataques do coração deixaram de ser restritos ao grupo dos mais velhos. Os principais fatores de risco são o tabagismo, obesidade e histórico de infarto na família.

De acordo com dados do Fundo de Amparo à Pesquisa em Cardiologia (Funcor) da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC/RN), os prontos socorros já registram a passagem de pacientes jovens, vítimas de doenças cardiovasculares. “Meus colegas socorreram um rapaz de 18 anos que sofreu infarto do miocárdio. O tratamento foi difícil, mas ele sobreviveu. Este paciente se encaixa no perfil de risco: é obeso”, conta o cardiologista Carlos Alberto de Faria, presidente do Funcor da SBC/RN. O médico explica que os jovens acham que esse risco é só dos mais velhos e deixam de se cuidar. “No mundo moderno tudo contribui para isso. Muitos jovens têm vida sedentária, fumam, usam drogas, exageram na bebida alcoólica e comem comidas muito gordurosas. Continue reading

Oct 28

Adoçantes, adiposidade e distúrbios metabólicos

adoçantesAdoçantes e ganho de peso

A obesidade é uma epidemia global, e a busca pelo emagrecimento, por motivos estéticos ou de saúde, é uma preocupação comum na sociedade moderna. Assim, várias estratégias nutricionais tem sido adotadas a fim de evitar o ganho de gordura, uma delas é o uso de adoçantes dietéticos (AD) não-calóricos, uma vez que o açúcar é um importante responsável na adipogênese. Porém, há evidências de que populações que buscam o uso dos AD engordam cada vez mais (YANG, 2010).

Confirmando isso, modelos experimentais mostram que o uso de adoçantes induz ganho de peso e redução da saciedade (SWITHERS E DAVIDSON, 2008; SWITHERS et al., 2013). No caso do uso do aspartame ou sacarina sódica, com o mesmo consumo calórico, esse ganho pode ser superior ao induzido pelo consumo do próprio açúcar (FEIJÓ et al., 2013). Em outro trabalho, ratos expostos aos adoçantes ganharam peso mesmo sem alterar o consumo calórico (POLYÁK et al., 2010). E o mais grave é que esse ganho de gordura que pode ocorrer pela exposição ao sabor doce pode continuar mesmo após a interrupção do consumo de adoçantes (SWITHERS et al., 2009). Continue reading

Apr 29

Cesariana contribui para obesidade abdominal

womanEstudo na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP comprova que o parto cesariano é um fator de risco para a obesidade em adultos jovens, se comparado com os nascidos de parto normal. Segundo a pesquisadora Denise Nascimento Mesquita, uma das explicações para essa conclusão é que as mudanças na microbiota intestinal induzidas pela cesariana é que aumentam esse risco.

“Fatores ambientais, genéticos, fisiológicos e comportamentais sempre foram considerados riscos para a obesidade em adultos jovens. O que conseguimos identificar pela primeira vez, é que a cesariana também pode contribuir para a obesidade abdominal e subcutânea na idade adulta, e não somente para a obesidade total medida pelo índice de massa corporal, como já fora demonstrado em outro estudo com essas mesmas pessoas”. Continue reading

Nov 29

Hipertensão: elo entre obesidade e doenças cardiovasculares

Depois de 14 anos de pesquisas, os franceses confirmam o que especialistas do mundo todo suspeitaram durante muito tempo: a hipertensão arterial é a chave para o aumento do risco de ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais fatais em pessoas obesas ou com sobrepeso. O estudo acompanhou a saúde de mais de 240 mil pessoas ao longo de 14 anos. Seus resultados estão publicados na última edição da Hypertension, revista científica mais importante da área.

Segundo os pesquisadores, a contribuição mais importante do estudo é que a hipertensão arterial aparece como um mecanismo pelo qual a obesidade leva à doença cardiovascular. Homens e mulheres com sobrepeso, por serem hipertensos, apresentaram o dobro de chances de sofrer um ataque cardíaco ou apoplejia fatal se comparados às pessoas com sobrepeso e pressão arterial normal. Os resultados se concentram predominantemente em homens e mulheres de meia-idade. Continue reading

Nov 29

Renda e escolaridade influenciam obesidade feminina

As causas da obesidade, doença crônica não-transmissível que é fator de risco para o desenvolvimento de vários agravos à saúde, estão diretamente ligadas aos níveis de escolaridade e de renda. Segundo a nutricionista e especialista em Saúde Pública, Ana Lúcia Medeiros de Souza, porém, essa relação varia de acordo com os diferentes estágios de desenvolvimento em que se encontram as sociedades. Na dissertação de mestrado que defendeu na Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, ela demonstra a ocorrência dessa variação na população brasileira, a partir de sua distribuição nas áreas urbana e rural das cinco macro-regiões do país.

Apesar de também oferecer risco à saúde para as pessoas do sexo masculino, que têm maiores tendências a sofrer de problemas cardiovasculares, a obesidade incide mais freqüentemente no sexo feminino. “É nas mulheres também que o problema recebe um destaque maior, talvez até pela pressão social, pelo culto à beleza” afirma a pesquisadora, que diz ter-se restringido à ocorrência da doença nas mulheres de todo o país. No Nordeste urbano, por exemplo, Ana Lúcia encontrou uma situação análoga à de países subdesenvolvidos. Continue reading

Mar 28

Obesidade infantil

No presente texto tentaremos descrever sobre a obesidade infantil e levantar possíveis questionamentos quanto a soluções e tentar despertar para um assunto tão grave da atualidade e do futuro próximo de nossos jovens.

Segundo McArdle; 1984 “ a obesidade pode ser definida como o aumento excessivo da quantidade de gordura corporal”. “A 0besidade consiste no depósito excessivo de gordura no tecido adiposo”… Revista âmbito de medicina esportiva, ano II n.º 16; 1996. Por meio dos conceitos acima descritos, podemos observar o comprometimento dos autores com o conceito fechado visando os aspectos intrínsecos entre gordura corporal e excesso da mesma. Comumente encontramos as expressões excesso de peso e sobre peso, relacionadas à obesidade.

Devemos ser cautelosos na interpretação de tal situação, pelo fato de encontrarmos pessoas com peso corporal total alto e com baixo volume de gordura, principalmente aquelas treinadas em esportes de força e musculação. Não trataremos neste texto destes aspectos porque já foram discutidos em um artigo anterior. O excesso de peso em gordura nas crianças, identificado e difundido na atualidade por meio dos mecanismos de comunicação como jornais, revistas, rádio e televisão, indicam-nos o caminho, que esta tornando-se um problema, no mínimo preocupante para com o futuro próximo de nossos atuais jovens. Continue reading