Oct 24

A influência da supervisão do personal trainer sobre o desempenho da força

personalUm estudo realizado no Laboratório de Performance Humana da Universidade de Ball State, Muncie, Estados Unidos; comparou as alterações na força máxima, potência e resistência muscular após 12 semanas de periodização de treinamento resistido (musculação) supervisionado diretamente por um personal trainer versus o treinamento sem a supervisão de um personal training.

Neste estudo, 20 homens treinados com média de idade de 24,6 anos foram divididos aleatoriamente em dois grupos. Os dois grupos realizaram programas de treinamentos idênticos, porém, o primeiro grupo realizou treinamentos supervisionados por um personal trainer e o segundo grupo realizou o treinamento sem esta supervisão. Continue reading

Jun 26

Personal Trainer – Qualificação Profissional

Quais são os requisitos legais para atuação?

“É preciso ser um profissional de nível superior, graduado em Educação Física”, esta afirmação se faz necessária devido aos aspectos legais e ao conhecimento científico ligado ao desempenho e à performance humana, necessários na prestação dos serviços propostos.

Quais são os requisitos legais?

A legislação brasileira estabelece na sua Constituição, no Título II “Dos Direitos e Garantias Fundamentais”, Capítulo I “Dos Direitos e Deveres Individuais”:

Art. 5 – Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à propriedade nos termos seguintes:

XIII – É livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações que a lei estabelecer. A Lei Ordinária número 9.696 de 01 de setembro de 1998 dispõe sobre a regulamentação da Profissão de Educação Física e cria os respectivos Conselho Federal e Conselhos Regionais de Educação Física:

Art. 1 – O exercício das atividades de Educação Física e a designação de Profissional de Educação Física é prerrogativa dos profissionais regularmente registrados nos Conselhos Regionais de Educação Física.

Art. 2 – Apenas serão inscritos nos quadros dos Conselhos Regionais de Educação Física os seguintes profissionais:

I – os possuidores de diploma obtido em curso de Educação Física, oficialmente autorizado ou reconhecido;

II – os possuidores de diploma em Educação Física expedido por instituição de ensino superior estrangeira revalidado na forma de legislação em vigor.

Art. 3 – Compete ao Profissional de Educação Física coordenar, planejar, programar, supervisionar, dinamizar, dirigir, organizar, avaliar e executar trabalhos, programas, planos e projetos, bem como prestar serviços de auditoria, consultoria e assessoria, realizar treinamentos especializados, participar de equipes multidisciplinares e interdisciplinares e elaborar informes técnicos, científicos e pedagógicos, todos nas áreas de atividades físicas e do desporto.

Apesar do texto da legislação não citar ou fazer menção ao profissional “Personal Trainer” ou ao serviço “Personal Training”, a relação está definida na elaboração e na prestação dos serviços desse profissional, porquê como treinador personalizado o mesmo define o tipo de atividade física a ser praticada, sua duração, freqüência e intensidade, o que caracteriza prescrição de exercícios ou atividade física.

O código de ética do Conselho Federal de Educação Física, em sua parte da Deontologia, identifica as designações e os campos de atuação do profissional de Educação Física: “O CONFEF/CREF, reconhecendo que o profissional de Educação Física, além das designações usuais de Professor de Educação Física, Técnico Desportivo, Treinador Esportivo, Preparador Físico. Personal Trainer, poderá ser designado, de acordo com as características da atividade que desempenha, com as seguintes denominações: Técnico de esportes, Treinador de esportes, Preparador Físico-corporal, Professor de Educação Corporal, Orientador de Exercícios Corporais, Monitor de Atividades Corporais, Motricista, Cinesiólogo, entre outros.”

Como visto, o professor de Educação Física tem a sua profissão regulamentada pela Lei 9696, de 1º de setembro de 1998 e seu espaço, como profissional da área de saúde, definido na Resolução n.º 218, de 6 de março de 1997 do Ministério da Saúde,como uma das 12 profissões da área de saúde. A seguir, algumas orientações de como localizar um profissional adequado: Confirme as credenciais do profissional, exijindo o registro no Conselho Regional de Educação Física.

Redija um contrato de prestação de serviços, definindo os termos entre as partes, tais como: preço, local, duração e regras dos serviços prestados.

Cuidado! Afaste-se de profissionais não graduados e sem o registro do Conselho Regional de Educação Física, que não tenham a formação científica necessária. Atenção! Um Personal Trainer (professor de Educação Física), não pode prescrever ou “orientar” dietas, indicar e prescrever suplementos alimentares ou trabalhar com a reabilitação de lesões, a menos que tenha outra graduação como nutrição ou fisioterapia que o habilite. Caso o faça, poderá ser enquadrado no exercício ilegal da profissão, crime tipificado no código penal.

Com a confirmação, pela ciência, da necessidade e importância do exercício físico, nada mais justo que transferir os conhecimentos e aptidões desse profissional, que tem seu papel confirmado junto à atividade física, para a população em geral. O acompanhamento e o emprego de conceitos e diretrizes estabelecidos por grandes centros como a Organização Mundial de Saúde e o Colégio Americano de Medicina Esportiva, podem garantir um trabalho mais credível e seguro na busca dos objetivos almejados

Fausto Arantes Porto – CREF 1387 – DF

Jun 25

O Personal Trainer tem Que Ser Qualificado

Quando um cliente faz a opção em contratar um Personal Trainer deve tomar certos cuidados para que não se arrependa mais tarde. Uma escolha mal feita pode acarretar sérios problemas à saúde, para não falar do prejuízo financeiro. A figura do Personal Trainer tem se popularizado nos últimos anos. Hoje em dia é possível contratar profissionais de alto nível por preços acessíveis. Inicialmente eram contratados por atletas, celebridades ou executivos que não podiam perder tempo freqüentando academias e, ainda, zelavam pela privacidade total.

Mas os professores de educação física viram nesse mercado uma forma de ganhar autonomia e dinheiro. Só que outros, sem qualificação necessária, perceberam a oportunidade e passaram a oferecer o mesmo serviço. Por isso, antes de contratar o seu Personal Trainer, certifique-se de que ele tem formação universitária em educação física, cursos de especialização e verifique suas referências. O Procom recomenda colher informações no Conselho Federal de Educação Física, na Associação Brasileira de Personal Trainer, revistas especializadas, academias conceituadas e clínicas médicas. Continue reading