Jun 03

Atividade física e tabagismo

cigarroapagueA Organização Mundial da Saúde aponta o tabagismo como a principal causa de morte evitável do mundo e o tabagismo passivo como a terceira causa, ficando atrás somente do alcoolismo (World Health Organization; 2008; INCA, 2009).

Os números que cercam o tabagismo e a indústria tabagista são impressionantes: 1,5 bilhões de indivíduos, maiores de 15 anos, são tabagistas, que consomem mais de 7 trilhões e 30 bilhões de cigarros anualmente, o que equivale a 200.000 quilos de nicotina diária (Rosemberg, 2002; Banco Mundial, 1999; Clinical Practice Guideline Treating Tobacco Use and Dependence 2008), que causam impactos ambientais e socioeconômicos monstruosos (Ministério da Saúde 2004). Continue reading

May 29

Cigarro: apague o mal da sua saúde

Mesmo sabendo de todos os riscos, muitos fumantes ainda insistem em dizer que o prazer compensa tudo – até mesmo o risco de prejudicar a própria saúde. Será mesmo? Além de aumentar as chances de desenvolver doenças pulmonares, câncer, infarto, derrames e envelhecimento precoce, a pessoa tem menos disposição, gasta um dinheirão por mês para alimentar o vício e ainda prejudica a saúde de seu vizinho.

Durante décadas o cigarro foi considerado sinônimo de charme, beleza e sofisticação. A indústria cinematográfica imortalizou e glamourizou o ato de fumar. Hoje, estima-se que há mais de 250 milhões de mulheres fumantes no mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). O que já foi chique no passado é causa de preocupação no presente. Continue reading
Jun 22

Fumante queima uma TV de plasma por ano

Estudo do Dieese mostra estrago que o cigarro faz no bolso: quem fuma um maço ao dia gasta R$ 1.728/ano

Fumar é queimar dinheiro. Ao longo de um ano, quem fuma um maço de cigarros de R$ 4,80 por dia gasta R$ 1.728, ou o preço de uma TV de plasma de 42 polegadas. Ou ainda o modelo de 16 gigas de um dos eletrônicos mais desejados da atualidade, o iPad 2.Ou ainda uma viagem de quatro dias para duas pessoas para o disputado destino turístico de Itacaré, na Bahia, incluindo hotel e avião.

A soma é feita usando a calculadora da Sociedade Brasileira de Cardiologia, disponível no site da instituição (www.cardiol.br), e mostra o peso do tabagismo no orçamento familiar. O ICV (Índice de Custo de Vida) do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) aponta que 1,7% da renda da família média brasileira é gasta com cigarros.

A conta, porém, é paga também por quem não é fumante. O SUS (Sistema Único de Saúde) gasta R$ 426 milhões com o combate às doenças causadas pelo fumo. O valor equivale a 5,43% da verba do sistema público de saúde. Continue reading

Aug 29

Tabagismo e pressão arterial

Tabagismo eleva FC, pressão arterial e reduz elasticidade das artérias

O estudo, realizado na FMUSP, abre precedentes para a realização de novas pesquisas relacionando o fumo ao sistema circulatório e ajuda a entender os mecanismos que resultam nas alterações hemodinâmicas clínicas. Pela primeira vez na literatura médica o monóxido de carbono (CO), decorrente do tabagismo, foi correlacionado ao aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial diastólica (a mínima). O estudo, realizado pela cardiologista Maria Alice Melo Rosa Tavares Silva, da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), também concluiu que os tabagistas têm a capacidade elástica do sistema arterial reduzida em até seis vezes, quando comparada com a de não-fumantes.

“Há algum tempo já se fala em alterações circulatórias ocasionadas pelo fumo, mas nunca havia sido feita uma correlação”, revela. A pesquisa ainda constatou outras alterações clínicas relevantes no sistema cardiovascular dos fumantes. A pressão arterial sistólica (a máxima), assim como a freqüência cardíaca, sofreram significativas elevações após o consumo de um cigarro, sendo que estes efeitos podem durar até vinte minutos. Além disso, os tabagistas apresentavam, em média, concentrações de CO quatro vezes maior no ar expirado quando comparado ao grupo não-fumante, mesmo após ficarem 12 horas sem fumar. Continue reading

Sep 27

Como abandonar o tabagismo e recuperar a qualidade de vida

Tabagismo é considerado pela Organização Mundial de Saúde uma doença pois a nicotina presente no cigarro causa dependência e provoca alterações físicas, emocionais e comportamentais.

Os fumantes têm três vezes mais possibilidade de morrer antes dos 65 anos do que os não fumantes. Há três vezes mais risco de doença cardíaca e dez vezes mais risco de câncer de pulmão.

Os fumantes também têm risco aumentado de outros tipos de cânceres, bronquite crônica, enfisema e úlceras. A boa notícia é que a saúde pode melhorar assim que o hábito tabágico é interrompido. Continue reading

Sep 27

Álcool e tabaco são mais prejudiciais que maconha, LSD e ecstasy

A nova tabela de drogas publicada na última edição da revista médica The Lancet indica que bebidas alcoólicas e tabaco são mais perigosos que maconha, LSD e  ecstasy.

Veja o ranking das mais nocivas:

1. Heroína
2. Cocaína
3. Barbitúricos
4. Metadona
5. Álcool
6. Anfetaminas
7. Benzodiazepinas
8. Ketamina
9. Tabaco

A tabela, baseada nos danos físicos causados ao usuário, na dependência e no efeito de seu uso nas famílias, nas comunidades e na sociedade, classifica a maconha como a décima primeira colocada, o LSD em décimo quarto lugar e o ecstasy é o décimo oitavo colocado.

Um grupo de especialistas independentes, com cientistas forenses e psiquiatras, classificaram cada categoria numa escala de 0 a 3, que vai de “nenhum risco” a “risco extremo“. A heroína marcou 2,7 pontos e o álcool menos de 2. O tabaco marcou 1,7 ponto e o ecstasy, 1,1.


Texto: Cassiano Sampaio

Fonte: Saúde em Movimento
Publicado em: 04/04/2007