Dec 01

Musculação e crianças: incompatíveis?

musculacaocriancasIntrodução

A musculação, que também pode ser entendida por treinamento de força é uma modalidade de exercícios que ainda tem uma visão estereotipada e preconceituosa por parte daqueles que não vivem sua realidade, e até mesmo no meio dos profissionais que deveriam estar atualizados com o conhecimento científico produzido nesta área. Quando falamos na aplicação desta atividade em certos grupos, conhecidos como especiais, a controvérsia é ainda maior.

As crianças são uma população que comumente encontram resistência na prática da musculação, pois se argumenta que esta prática é consideravelmente prejudicial ao seu crescimento e desenvolvimento. Esta é uma atitude muito comum, embora nada normal. O normal seria que todos os profissionais envolvidos, direta ou indiretamente, com o exercício físico, estivessem a par do que diz a ciência à respeito deste tema, e não advogassem contra uma prática esportiva por medo e ignorância. Continue reading

Jun 01

Periodização e Hipertrofia

A periodização linear ou tradicional é a elaboração de um treinamento que possui uma fase inicial com alto volume e baixa intensidade, evoluindo para um aumento da intensidade e redução do volume. Sua teoria é alicerçada no princípio científico do treinamento esportivo conhecido por interdependência volume x intensidade, onde cada fase ou período é desenvolvido com o propósito de ocasionar uma adaptação que irá otimizar os resultados das fases que se sucedem.

Embora alguns autores tenham apresentado aspectos negativos dessa abordagem (Verkhoshansky, 2001 apud Gentil, 2005), vários outros, como Fleck & Kraemer (1999), já demonstraram o quão eficiente a periodização pode ser no incremento da força muscular. Continue reading

Apr 14

Efeito da carga repetida

duvidasmusculacionA frase do filósofo alemão Nietzsche “o que não mata, me fortalece” serviria para ilustrar um processo de adaptação chamado efeito protetor da carga ou efeito da carga repetida. De maneira resumida esse efeito determina que quando uma sessão de treino é repetida, o grau de dano induzido pelo exercício diminui.

Praticantes de atividades físicas, especialmente aqueles que realizam treinamento de força, já experimentaram em algum momento de sua história esportiva, uma dor muscular localizada que surge entre de 24 e 72 horas após o término da atividade e que desaparece em alguns dias.

Esta dor normalmente aparece no começo de um programa de treinamento, na retomada após um período de inatividade, ou mesmo quando estímulos são alterados, e vai diminuindo sua intensidade após as repetidas sessões. Continue reading

Jan 18

Exercícios resistidos podem diminuir o risco de desenvolvimento de diabetes em mulheres

musculacionepesoEstá bem evidente na literatura que a atividade física aeróbia pode reduzir o risco de diabetes tipo 2. Porém ainda não está claro se as atividades de fortalecimento muscular também são capazes de contribuir para a prevenção de tal doença.

Um recente estudo examinou a relação de atividades de fortalecimento muscular com o risco de diabetes tipo 2 em mulheres. Continue reading

Jun 26

Academia para crianças

Muitas crianças, no seu dia a dia e principalmente nas aulas de Educação Física, começam a se sentirem menos ágeis e menos fortes que seus colegas. Uma conseqüência disto é o grande número de faltas e justificativas para não participarem da prática, pois mesmo sem querer, elas se sentem discriminadas.

No caso das crianças com obesidade, o problema parece se agravar, principalmente quando as aulas priorizam o esporte.Em vista disto crianças de todas as idades estão se dedicando mais aos exercícios em academias de ginástica, pois podem fazer um “trabalho direcionado para sua prioridade”. Continue reading

Jun 26

Musculação: Número ideal de séries

Musculação: Número ideal de séries

Inúmeras publicações tentaram, e tentam, esclarecer qual o procedimento mais adequado no que tange a segurança e/ou o desempenho interveniente às múltiplas variáveis que definem a musculação. Tarefa árdua, pois muitos ainda persistem no raciocínio cartesiano para na hora de entender como as variáveis se inter-relacionam para responder às mais diversas manifestações do treinamento de força, que na maioria das vezes são analisadas de forma mecanicista o que compromete as conclusões e/ou suposições.

Então, tentando nos desvincular do modo, cultural e histórico, de analisar cartesianamente o contexto geral de um determinado assunto, vamos manter a “mente aberta” para que a leitura das informações contidas neste breve texto contextualize nosso raciocínio em todas as hipóteses que podem exercer decisiva diferença no assunto abordado. Continue reading

Jun 25

Musculação para crianças

A obesidade infantil é um grave e crescente problema que vem incomodando as principais entidades de saúde no mundo todo. No Brasil, segundo dados da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a obesidade atinge cerca de 15% das crianças.

A probabilidade de uma criança obesa se tornar um adulto obeso é de 20% e pode chegar a 40-80% se esta criança persistir obesa na adolescência. Como se não bastasse por si só, a obesidade aumenta o risco de desenvolvimento de diversas doenças crônico-degenerativas, tais como, a hipertensão, o diabetes tipo 2, entre outras. Sendo assim, os riscos à saúde associados à obesidade são diversos, contudo, através de informações podemos contribuir para a diminuição dessas estatísticas.

Diversos são os fatores que contribuem para essa situação negativa. Um dos principais exemplos que podemos citar é a diminuição da atividade física, devido a fatores como o avanço tecnológico e o aumento da violência urbana.

É cada vez mais comum, nos momentos de lazer, observar crianças em suas casas em frente a videogames e computadores e, em contrapartida, muito raro ver crianças brincando nas ruas.

Essas mudanças dos hábitos infantis, com o passar dos anos, tende a mudar o perfil físico da maioria das crianças. A criança que antes poderia ser ativa e magra, hoje é inativa e gorda.

Esse fato leva os profissionais da área da saúde a estudarem estratégias e opções de atividades que possam, de uma forma ou de outra, compensar o sedentarismo proporcionado pelos hábitos de vida modernos.

Uma opção interessante de atividade física que vem crescendo no meio infantil e juvenil é a prática da musculação. Uma sala de musculação oferece, dentre demais benefícios, uma atividade eficiente em um local seguro, o que atende grande parte da expectativa dos pais.

Mitos como “a musculação não pode ser praticada por crianças porque atrapalha o crescimento” já foram derrubados graças aos avanços científicos. Portanto, não há respaldo que suporte tais inverdades, desde que a atividade seja prescrita e supervisionada por um profissional de educação física especializado no assunto. Sendo assim, a musculação soma-se às demais atividades, ampliando o leque de opções de forma eficaz e segura, de modo a satisfazer pais, crianças e professores.

Cabe a nós, profissionais de educação, a função de divulgar essa idéia a fim de contribuir para a promoção da saúde e melhoria da qualidade de vida de nossas crianças.

Texto: Prof. Cauê V. La Scala Teixeira – CREF 4257-G/SP
Licenciatura Plena e Bacharelado em Educação Física – FEFIS/UNIMES (2004);
Pós-graduação em Fisiologia do Exercício – CEFE/UNIMES (2006);
Pós-graduação em Aspectos Fisiológicos e Metodológicos Atualizado do Treinamento de Força – UNISANTA (2009)
 

Jun 24

O número ideal de repetições

Se eu lhe perguntasse qual o número ideal de repetições para se obter hipertrofia o que você me responderia? Seria 10? Ou 8? Algo em torno de 12? Infelizmente muita gente ainda acredita em um número lendário de repetições considerado ideal. Quem nunca fez uma série de “três de dez” (3 X 10)?

Parece que há um limite mágico a partir do qual a hipertrofia começa a surgir (geralmente oito) e acima do qual ela magicamente é interrompida (normalmente 12), parece que o músculo possui um contador implacável acionando os sinais de hipertrofia quando se supera a sétima repetição e os interrompendo a partir da décima terceira. Definitivamente o referido contador não existe, e esta rigidez numérica é totalmente desprovida de comprovações confiáveis. Continue reading

Jun 21

Professor, o que tenho que fazer para crescer?

Muitos praticantes de musculação e estudantes de Educação Física (é claro, não são todos!) fazem esse tipo de pergunta logo quando iniciam um programa de treinamento com pesos e continuam com essa “dúvida” por muito tempo. Quantas perguntas como essa, você praticante de exercícios com pesos já não fez ou escutou? Eu já cansei de ouvir esse tipo de pergunta……..

E sei também o que muitos querem escutar: ah! Esse suplemento é muito bom, ou aquele é melhor, e daí por diante. É claro que em alguns casos, o uso de suplementos se faz necessário, mas como o próprio nome já diz, é um recurso suplementar ao treinamento. Fico pensando o seguinte: nós estudamos fisiologia do exercício, anatomia, bioquímica, treinamento desportivo, biomecânica, a própria musculação, e parece que tudo isso acaba sendo o “suplemento” dentro de um programa de treinamento.

Jun 21

Parecer técnico sobre o treinamento de musculação durante a infância e adolescência

O treinamento resistido (musculação) para crianças e adolescentes infelizmente ainda é um tema muito controverso para muitos profissionais da saúde, como médicos e educadores físicos. A causa dessa controvérsia deve-se justamente ao fato de alguns desses profissionais estarem desatualizados com relação a esse tema, pois nos últimos anos muitas pesquisas têm demonstrado os verdadeiros efeitos de um programa de força para crianças e adolescentes.

Os estudos mais antigos constantemente questionavam a segurança e eficiência de um treinamento de força para essa faixa etária, mas novas evidências têm indicado que tanto crianças quanto adolescentes podem aumentar a força muscular em conseqüência de um treinamento de força (GUY & MICHELI, 2001; FAIGENBAUM et al, 1999).  Continue reading